Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Estimativa: 91 milhões de brasileiros deixaram de pagar ao menos uma conta em abril



Emerson Lopes - Jornal de Brasília

Imagem da Matéria

Em março, antes dos efeitos do novo coronavírus, eram 59 milhões de brasileiros com contas atrasadas, mostra pesquisa do Instituto Locomotiva, empresa paulista que trabalha com estratégias e avaliação de novos negócios.

Sua pesquisa mais recente - resumida pelo jornal O Estado de S. Paulo - aponta que 91 milhões de brasileiros (o equivalente a 58% da população adulta do País) deixaram de pagar neste mês pelo menos uma das contas referentes ao consumo de março. Como comparação, no mês anterior, antes dos impactos da quarentena, eram 59 milhões (37%) com contas atrasadas – houve, portanto, um salto de 54% no período.

“A Covid-19 chegou na reta final de uma crise econômica e encontrou uma população sem poupança”, afirma o presidente da Locomotiva, Renato Meirelles, explicando que o brasileiro não pagou as contas porque, na falta de uma reserva financeira, o dinheiro acabou.

Segundo a Anbima, a associação das empresas do mercado financeiro, só 10% dos brasileiros conseguiram guardar algum dinheiro ao longo do ano passado. “Quanto menor a renda, maior o endividamento relacionado a contas mais simples, como água, luz, aluguel ou carnês. Nas classes A e B, os destaques ficam para o cartão de crédito e mensalidades escolares”, diz Meirelles.

De acordo com a pesquisa, cada brasileiro, em média, deixou de pagar quatro contas, sendo que as consideradas não essenciais estão entre as mais frequentes, como carnês ou crediários de lojas (renegadas por 46% dos entrevistados) e empréstimos com instituições financeiras (descartados por 36%).

A inadimplência também tem duas das dívidas mais caras do País: o cartão de crédito (com juros de 322,6% ao ano, em fevereiro) e o cheque especial (130% ao ano, em igual período), ambos postergados por 37% dos brasileiros. Na prática, uma dívida com o cartão de crédito mais que dobra de tamanho a cada seis meses.

A pesquisa foi realizada nos dias 14 e 15 de abril e entrevistou, por telefone, 1.131 pessoas. A margem de erro é de 2,9 pontos porcentuais.

Na opinião de Isabela Tavares, economista da Tendências Consultoria Integrada, a pesquisa da Locomotiva surpreende pela magnitude dos resultados depois de um período relativamente curto de quarentena. “A gente esperava por esse salto no endividamento, mas ao longo do ano, não tão rapidamente”, diz a especialista, que estima que a massa de passivos gerada pela atual crise sanitária leve pelo menos dois anos para ser solucionada.

“Com os bancos, nós voltamos hoje aos níveis de inadimplência de 2017. Como esperamos um índice de desemprego de 14,5% neste ano, e uma melhora pequena no ano que vem, projetamos que a massa de endividamento deva voltar aos patamares de 2019 apenas em 2022”, diz.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

A CEF executa a OAS por dívida de R$ 44 milhões relativa à Arena do Grêmio

• O embrulho terá um componente extra: a empreiteira ao receber o financiamento deu em garantia a praça de esportes, o que estava vedado no contrato firmado com o clube gaúcho.

• STF arquiva notícia-crime formulada por seis partidos contra Bolsonaro.

• Juizado do Torcedor fulmina ação que pretendia interferência no V A R.

• Inconstitucionalidade declarada pelo STF de leis gaúchas sobre os depósitos judiciais.