Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

O custo dos políticos brasileiros: mais de R$ 850 milhões mensais



Charges do Flávio (Facebook) - Edição: EV

Imagem da Matéria

Está começando a viralizar, nas redes sociais, o vídeo em que o empresário catarinense Jorge Goetten, com domicílio em Itajaí (SC), propõe alterações na política brasileira, começando com uma demonstração de boa-vontade de vereadores, prefeitos, vice-prefeitos, deputados estaduais, deputados federais e senadores.

Goetten - que é proprietário de uma empresa de segurança privada - invoca o grande número nacional de desempregados (só em Santa Catarina são 300 mil) e propõe que todos os políticos concordem por um mês - pelo menos, ou, melhor ainda, até dezembro - que seus salários sejam reduzidos em 30%. A economia que municípios, estados e a União fariam permitiriam uma poupança mensal de R$ 250 milhões.

Assista o vídeo.

 

Se preferir acompanhe, a seguir, a manifestação em texto.

A maioria dos privilegiados acha que a crise não é com eles...
Artigo de Jorge Goetten, empresário (SC)

jorgegoetten.pr@gmail.com

Uma coisa é clara: enquanto quem trabalha e empreende já começa a fazer grandes sacrifícios, a maioria dos privilegiados acham que a crise não é com eles. Aqui no meu Estado, Santa Catarina, os dados mostram que mais de 300 mil trabalhadores já perderam seu emprego. E metade dos brasileiros já tiveram a renda afetada pela pandemia. As autoridades eleitas, não vão fazer a sua parte?

Vejam o custo mensal de nossos políticos eleitos.

• Os 60 mil vereadores do país nos custam R$ 600 milhões.

 Todos os governadores, prefeitos e vices do país custam R$ 250 milhões.

• Todos os deputados do país, estaduais e federais, custam R$ 44 milhões.

• Todos os nossos senadores custam R$ 2,5 milhões.

Isso dá mais de R$ 850 milhões por mês, todos os meses. Refiro-me só aos salários. Isso sem contar as dezenas de mordomias e privilégios da classe política - que, em termos normais, mesmo sendo legais, já são afrontosos. E nesta crise da saúde e da economia, esses privilégios têm que ser revistos.

Se reduzirmos 30% do salário de todos esses políticos, faremos uma economia de mais de R$ 250 milhões mensais. Se essa redução continuasse até o fim do ano, teríamos uma economia de R$ 2,2 bilhões para enfrentarmos a crise e ajudar a saúde.

Esse valor é maior que o fundão eleitoral (R$ 2,1 bilhões) que, convenhamos, também deveria ser destinado neste momento para a saúde.

Vamos fazer uma conta simples: com esses R$ 4,3 bilhões, seria possível construir 430 hospitais de campanha ou comprar 70 mil respiradores.

Lembro da importância dessa redução, porque é um dinheiro novo, que não sairá dos cofres públicos. Como sairá do bolso dos políticos, não vai sacrificar ainda mais o trabalhador e o empreendedor brasileiro.

Por que no Chile, no Uruguai, na Nova Zelândia e na Bulgária os políticos já fizeram o gesto, e por que os nossos políticos brasileiros ainda não?

Pense nisso! Se você concorda comigo, compartilhe o vídeo e vamos pressionar nossos representantes a cortarem na própria carne! Não vamos deixar essa crise passar desaproveitada!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas