Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 1º de dezembro de 2020.

Inteligência artificial x Covid-19



Arte EV sobre figura de Getty Images

Imagem da Matéria

Por Eduardo Barbosa, advogado (nº 35.070) e conselheiro seccional da OAB-RS
Eduardo@eduardobarbosa.adv.com.br

O mundo está perplexo com a dificuldade em vencer a Covid-19. Decorridos cerca de cinco meses de enfrentamento - Comunidade Cientifica x Covid 19 - eu pergunto: como está o placar?

Admito ter medo de responder!

Estamos em meados de maio, hoje é dia 19; o número de casos de coronavírus, superou a marca de 4 milhões, segundo a Universidade de Johns Hopkins, dos Estados Unidos. O número de mortes, aproxima-se de 280 mil pessoas no mundo.

Sempre imaginei que o desenvolvimento tecnológico, o avanço da medicina, a área de TI, os robôs e os algoritmos, nos levassem a um mundo em que o ser humano ficasse acima de dificuldades do dia a dia, e também a humanidade seria blindada de várias vicissitudes e mazelas.

Aliás, a preocupação de todos era com as demissões em massa e a extinção de profissões, como motorista de taxi, operador de telemarketing, caixa, vendedor de varejo, e assim vai.

Estou expressando a minha total decepção com a Inteligência Artificial para vencer o coronavirus! Onde está a tecnologia tão difundida e alardeada, como o futuro do planeta, que iria nos tornar seres autossuficientes e teríamos os robôs que fariam tudo por nós?

Os carros seriam conduzidos pela inteligência artificial... Os computadores de alta tecnologia fariam todo tipo de operações matemática, física e química!

Eu pergunto: por que a Inteligência Virtual não salva a humanidade?

Não há como essa inteligência descobrir o medicamento correto para atacar a Covid-19? A inteligência artificial não consegue descobrir a vacina para imunizar a humanidade?

Então, caros leitores, essa inteligência artificial, tão aclamada e reverenciada por tantos, não chega aos pés de médicos, enfermeiros e todos que estão na linha de frente salvando vidas!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Enfam, questões raciais, discriminação, Og Fernandes

“Os integrantes do Poder Judiciário precisam superar a compreensão equivocada da realidade e reconhecer os efeitos da desigualdade racial na formação e dinâmica dos conflitos a que são chamados a resolver”. Artigo de Og Fernandes, ministro do STJ e diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). 

Imagem: Freepik - Arte EV

Consequencialismo?

 

Consequencialismo?

“Pode o intérprete – entre iludir e se iludir, entre enganar e se enganar – declarar-se consequencialista, em temas de natureza normativo-constitucional, sem esclarecer nem o ´sentido´, nem a ´referência´ com que emprega a expressão ´consequencialismo´”? Artigo do advogado Alexandre Pasqualini.

Imagem: Freepik - Arte EV

Desculpas e desagravos. Para quem?

 

Desculpas e desagravos. Para quem?

“Era junho de 2018: um cidadão trabalhador busca na Justiça do Trabalho a satisfação dos direitos de que entende ser merecedor. É novembro de 2020: os privilegiados foram os que negaram o acesso à Justiça, que valorizaram a forma encenada, teratológica e abusiva de não entregar alguma jurisdição, em detrimento da legalidade sociojurídica”. Artigo de Álvaro Klein, advogado de trabalhadores.

Chargista Cazo

Para o crime não compensar

 

Para o crime não compensar

“A soltura de André do Rap não teria ocorrido se estivesse valendo a prisão em segunda instância. Esse estatuto vigorou por 21 anos e foi derrubado pelo STF justamente quando políticos poderosos e grandes empresários começaram a ser presos”. Artigo do senador Lasier Martins.