Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

Acordo, por videoconferência, entre frigorífico gaúcho e trabalhador que está no Maranhão



Imagens TRT-4

Imagem da Matéria

Os participantes estavam em cinco cidades diferentes. O mais distante era o trabalhador, no interior do Maranhão. Para fins de divulgação, o TRT gaúcho desfocou as imagens do reclamante e da preposta da empresa reclamada.

A juíza Jaqueline Maria Menta usou a videoconferência para celebrar um acordo entre um trabalhador que estava no município de Santa Luzia do Tide, no Maranhão, e representantes do Frigorífico Nova Araçá Ltda., na serra gaúcha. A audiência ocorreu por meio do aplicativo Google Meet, na última quarta-feira (3). O acordo solucionou um processo que tramitava no Posto Avançado da Justiça do Trabalho de Nova Prata, cuja jurisdição abrange o município de Nova Araçá.

Atualmente, todas as audiências da Justiça do Trabalho são realizadas no Google Meet, como medida de prevenção ao coronavírus. "A videoconferência foi muito importante para vencer a distância. Seria difícil para o trabalhador comparecer a uma audiência no Rio Grande do Sul", observa a magistrada.

Após o término do seu contrato com o frigorífico gaúcho, o trabalhador havia retornado para sua cidade de origem, no Maranhão. "O advogado e o trabalhador puderam inclusive sair da videoconferência para conversar em particular sobre a proposta do acordo e depois retornar. A ferramenta é muito prática", afirma a juíza.

A magistrada comenta que o trabalhador teve dificuldades iniciais para usar o aplicativo, mas que, logo após receber algumas instruções, conseguiu participar normalmente. "Ele ficou muito satisfeito com a possibilidade de resolver seu processo à distância", ressalta. Na quarta-feira, a juíza Jaqueline Menta realizou mais 13 audiências por videoconferência, das quais oito resultaram em acordo. "Neste momento difícil, de pandemia, percebo que as partes e os advogados estão cientes de suas responsabilidades, trabalhando em conjunto com o Juízo para buscar soluções", conclui

Os participantes acessaram a videoconferência a partir de cinco cidades diferentes. O trabalhador estava em sua casa, em Santa Luzia do Tide (MA) e a preposta da empresa, em Nova Araçá (RS). O advogado do trabalhador, Gilmar Barufaldi, também estava em Nova Araçá, e o advogado do frigorífico, Christian Santanna, em Porto Alegre.

A audiência foi secretariada pelo servidor Alexandre Lange, em Nova Prata. A videoconferência também foi acompanhada pelas estudantes de Direito da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões), Katrine Cardias Martins e Andressa Barcelos Moreira, que estavam no município gaúcho de São Luiz Gonzaga, na região das missões. (Proc. nº 0020301-53.2020.5.04.0511 - com informações do TRT-4 e da redação do Espaço Vital.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Má fé de escritório de advocacia prejudica cliente em demanda contra grande banco

Conversas via WhatsApp fizeram a prova. Na ação trabalhista em que os advogados “compraram os créditos” da reclamante por R$ 360 mil, o escritório de advocacia fechou acordo por R$ 1,9 milhão líquidos, com o Banco Itaú. Este colaborou com o esclarecimento das minúcias. Leia também o contraponto da banca advocatícia.