Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

Advocacia engrandecida



Por Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível da Comarca de Porto Alegre.

sergiosouzaaraujo@gmail.com

Estamos em pleno século XXI e, lamentavelmente, ainda vemos recrudescer cada vez mais forte, pelo mundo, o nefasto preconceito racial. Dia a dia a imprensa mundial noticia o quão considerável é a incidência impetuosa de ataques antissemitas que vicejam em todos os lugares do planeta.

E este indesculpável fenômeno ocorre de maneira amiúde em nações avançadas, como em países classificados economicamente como em subdesenvolvimento, ou, em incipiente desenvolvimento.

Não consigo compreender o que leva pessoas das mais variadas nacionalidades a hostilizarem outros seres humanos tendo como base o histórico étnico, cultural e ou, religioso desses irmãos.

É notório que o tempo de trevas em que havia nações que entendiam ser possuidoras de características superiores às outras, felizmente há muito que terminou. E torna-se imperioso que todos, em comunhão de esforços, lutem para que aquele fenômeno horrendo não mais tenha lugar.

Pois bem: nos mais de quarenta anos de vida pública que exerci no Poder Judiciário do RS, tive o grato privilégio de conviver profissionalmente com advogados de todos os matizes.

E orgulho-me imensamente de ter conquistado a simpatia, amizade e respeito da grande maioria desses competentes advogados. Muitos daqueles queridos amigos ainda engrandecem essa nobre profissão considerando que continuam em plena atividade.

Por isso hoje, faço esta singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que adiante nomino. Obviamente, que muitos não foram incluídos na lista e isso não é por vontade própria mas, porque o tempo é infalível e minha capacidade de lembrar não é mais a mesma. De qualquer sorte, espero que os ausentes também sintam-se laureados.

Nomino, então:

Abrahão Grimberg Sobrinho, Abrahão Pechansky, Alfredo Goltz, Arnaldo Klein, Bernardo Dorfman, Clara Ioschpe, David Roitmann, Daniel Boklis, Décio Stifelmann, Eli Raiskin, Fábio Milmann, Ghedale Saitovich; Gerson Fischmann, Gildo Milmann, Henrique Henkin, Isaac Siminovich, Jone Boklis, Léo Iolovitch, Luiz Carlos Levenzon, Marcos Stifelmann, Manoel Burd, Manuel Piterman, Miguel Pechansky Natan Sandler, Paulo Asnis, Paulo Wainberg, Roberto Wofchuck, Samuel Levenzon, Saul Waldman, Salomão Wainberg, Sidnei Stifelmann e Teresinha Sandler.

Honrados profissionais que tanto dignificaram a advocacia gaúcha e brasileira!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Foto: Visual Hunt - Arte EV

Ressuscitem Churchill !

 

Ressuscitem Churchill !

“As pessoas estão esgotadas. Bandeiras... - ninguém atura mais esse discurso. Bandeira vermelha só no Beira Rio. E preta é lá no Corinthians. O pico já subiu e desceu inúmeras vezes. Isso parece filme pornô. Desculpem a ironia...” Artigo de José Aquino Flores de Camargo, ex-presidente do TJRS e advogado (OAB/RS nº 12.586)

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

 

O Judiciário e o avanço da mobilidade urbana

“Está nos tribunais a disputa que contrapõe as versões antiga e nova de atender o mesmo público. Mas o consumidor paga até 60% a mais se comprar passagens pelo modo convencional, na rodoviária”. Artigo do advogado Jauro Gehlen.

Coabitação em tempos de quarentena e o contrato de namoro

“Muitos casais de namorados passaram a coabitar continuamente para evitar o isolamento e a forçada separação, sem, entretanto, pretender constituir uma relação de união estável, uma família, enfim, um compromisso mais sério”. Artigo do advogado Marcelo Santagada de Aguiar.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Contatos virtuais e prerrogativas

 

Contatos virtuais e prerrogativas

“Em tempos de distanciamento social, existem alternativas tecnológicas para falarmos ao vivo com juízes e desembargadores: são as mesmas que utilizamos para contatar com nossos familiares e amigos”. Assim, WhatsApp, Zoo, Google Meet, Teams, e os sistemas próprios dos tribunais. Artigo de Rafael Braude Canterji, advogado (OAB-RS nº 56.110).