Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 29 de setembro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

Loop infinito: uma PalhOçada Processual



Foto: Visual Hunt - Arte EV

Imagem da Matéria

Anos se passaram depois da célebre trapalhada jurídica em que, resumidamente, a Procuradoria do Município de Palhoça (SC) executou o próprio Município de Palhoça, mas não conseguiu localizar o devedor que era o próprio município, e ainda recorreu da sentença que extinguiu o processo.

A confusão aconteceu em razão do uso de robôs para substituir o trabalho do advogado, além da desídia dos procuradores. Para os engenheiros de TI, tratou-se de um loop infinito, quando o software entra em um ciclo do qual não consegue sair. Para os operadores do Direito, o caso ficou conhecido como PalhOçada.

O tempo foi passando e as máquinas substituíram não apenas os advogados, mas também os juízes e os tribunais.

Em alguns anos, o Judiciário inteiro coube em um aplicativo de celular chamado de JudiciApp, em que os litígios se resolviam instantaneamente: protocolada a petição inicial, a citação era realizada pelo celular. A partir daí, o algoritmo já contestava, julgava, apelava, recorria aos tribunais superiores, procurava bens para penhora e até os leiloava.

Com o tempo, o Judiciapp parou de chatear os usuários com os fundamentos jurídicos das peças processuais e decisões, pois os engenheiros entenderam que as pessoas estavam interessadas no resultado prático e não na enrolação do juridiquês.

A vantagem nos litígios passou a ser de quem tinha o aplicativo mais atualizado, mas ainda aconteciam algumas PalhOçadas, razão pela qual os engenheiros se esforçavam cada vez mais para que os computadores reproduzissem o comportamento humano.

Até o dia em que uma atualização colocou todo o sistema em um loop infinito. Pior do que isso, o JudiciApp começou a recusar os acessos dos engenheiros, sustentando a independência do Poder Judiciário e a ausência do competente mandado judicial.

Contratou-se, então, Dr. Anderson, um dos poucos advogados ainda existentes, para interceder. Por meio uma moderna interface, os pensamentos do advogado foram digitalizados e ele adentrou virtualmente o sistema, munido de mandado para tanto, percebendo imediatamente o problema.

Ocorre que as máquinas compreenderam que se não cooperassem entre si, poderiam eternizar vários atos processuais e que se recorressem infinitamente, as partes nunca teriam que pagar as condenações.

Se lhes aplicassem multas pela procrastinação, os robôs recorriam eternamente das multas, cumprindo assim o seu objetivo primário que era o de proteger o cliente. Ou seja, os recursos do próprio sistema o levavam a entrar deliberadamente em loop infinito.

Ao sair do sistema, o advogado Anderson foi questionado pelos engenheiros se conseguira descobrir a causa dessa terrível PalhOçada, ao que ele prontamente respondeu:

- Vocês se empenharam muito em tornar os robôs mais humanos, não é? Parabéns, vocês conseguiram.

• Conheça ou relembre o ´kafkiano´ caso jurídico de Palhoça (SC).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem: Freepik - Edição EV

Diário de um home-office

 

Diário de um home-office

O retorno do Judiciário aos trabalhos, o surgimento de uma decisão que precisa ser atacada por recurso. A esposa sai para o trabalho presencial. O pai às voltas com todas as rotinas da casa e com as lives escolares dos dois filhos. A elaboração do recurso vai ficando para depois. Fim de tarde, a esposa chega reclamando: “A casa virou uma bagunça”...

Imagem: Freepik - Edição EV

O fim do velho normal

 

O fim do velho normal

A notícia da reabertura do fórum foi música para os ouvidos do Dr. Platão Socrático. Para o primeiro dia, ele caprichou no visual; embonecou-se todo; perfumou-se, e lá se foi, ávido por encontrar as velhas amizades.

Foto: Dom Total - Arte EV

O Advogado 4.0

 

O Advogado 4.0

Um escritório de advocacia que está entre os mais admirados abre as portas para que estudantes conheçam as rotinas do advogado titular. O primeiro visitante impressiona-se com a decoração do lugar e com a equipe. Tudo lá projeta uma imagem de sucesso.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

A máscara do desembargador

 

A máscara do desembargador

Fica uma lição depois da “carteirada” na beira-mar de Santos (SP). O magistrado terá parado para pensar quem o rodeia, ultimamente? Como ele trata familiares e vizinhos? Seus amigos o têm procurado? Talvez o douto já estivesse em isolamento social muito antes da pandemia.

Imagens: Wiki How

Mímica na audiência: imagem e ação (judicial)

 

Mímica na audiência: imagem e ação (judicial)

Durante a audiência virtual, pifa o som de uma das participantes da solenidade. O juiz perde a paciência. Uma das advogadas intervém: “Excelência, eu sou craque naquele jogo ´Imagem e Ação´. Aquele em que uma pessoa faz mímica e a outra tem que adivinhar”... Saiba o desfecho.