Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

Empresário Luciano Hang é condenado a pagar R$ 300 mil por ofensas à OAB



Fotos: Divulgação - Arte EV

Imagem da Matéria

O empresário Luciano Hang, dono da rede varejista Havan, foi condenado a pagar R$ 300 mil de reparação por danos morais coletivos — decorrentes de publicações em redes sociais consideradas ofensivas à Ordem dos Advogados do Brasil e aos profissionais da advocacia. A decisão é do juiz Leonardo Cacau Santos La Bradbury, da 2ª Vara da Justiça Federal em Florianópolis.

A sentença foi proferida ontem (29), em uma ação civil pública da seccional de Santa Catarina da OAB. O valor deve ser destinado a uma Campanha de Valorização da Advocacia. Não há trânsito em julgado.

De acordo com a sentença, em 5 de janeiro de 2019, o empresário publicou em seus perfis no Instagram, no Facebook e no Twitter postagem que continha, entre outros, trechos como “A OAB é uma vergonha. Está sempre do lado errado. Quanto pior melhor, vivem da desgraça alheia. Parecem porcos que se acostumaram a viver num chiqueiro, não sabem que podem viver na limpeza, na ética, na ordem e principalmente ajudar o Brasil. Só pensam no bolso deles, quanto vão ganhar com a desgraça dos outros. Bando de abutres”.

A publicação já tinha sido retirada do ar por decisão de antecipação de tutela, proferida pelomesmo juízo.

Na sentença, o juiz considerou, entre outros fundamentos, que “tais expressões, longe de se constituir em direito de liberdade de expressão e de crítica (...), consubstanciam em manifesto ato ilícito de violação a direitos fundamentais, notadamente a honra, imagem e a dignidade de milhares de advogados, bem como da própria OAB, enquanto instituição de classe”.

Num dos trechos da sentença, o juiz Bradbury concluiu estardevidamente comprovado o dano moral coletivo em sua dupla acepção, ou seja, tanto o dano moral coletivo indivisível que afetou a honra e a imagem de toda a classe da advocacia, representada pela sua instituição (OAB), bem como em sua conformidade de dano moral coletivo divisível, posto que a publicação ofensiva é dirigida também a cada um dos milhares de advogados inscritos na referida instituição”.

Cabe recurso de apelação ao TRF da 4ª Região, em Porto Alegre. (Proc. nº 5000901-95.2019.4.04.7200 - com informações da SECOM do TRF-4).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Uma indenização de R$ 2 milhões, por dano moral transformada em zero

STF reforma decisão do STJ que condenara o ex-ministro Mendonça de Barros a pagar R$ 2 milhões ao empresário Carlos Jereissati. Tese de repercussão geral firmada: ”Ante conflito entre a liberdade de expressão de agente político, na defesa da coisa pública, e honra de terceiro, há de prevalecer o interesse coletivo”.

Google Imagens

As algemas de verdade e a condenação por responsabilidade civil na morte de um autônomo eletrocutado

 

As algemas de verdade e a condenação por responsabilidade civil na morte de um autônomo eletrocutado

No mesmo dia em que os irmãos Ronaldinho Gaúcho e Assis se enrolavam com a Justiça do Paraguai, a 10ª Câmara Cível do TJRS condenou a dupla a pagar indenização e pensionamento à viúva e aos filhos de um autônomo. A vítima levou uma descarga elétrica fatal numa rede elétrica irregular, no sítio da família Moreira, no bairro Ponta Grossa, em janeiro de 2010.