Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 27 de novembro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/jovem_advocacia vermelho.jpg

Dois casos parecidos, duas decisões diferentes



Imagens: Freepik - Edição: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Um caso de confronto entre advogados gaúchos foi objeto de matéria no Conjur, esta semana. Refere-se a uma recente decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS, cujo acórdão confirmou sentença que negou reparação por danos morais a um advogado. Numa ação na comarca de Passo Fundo, ele teria se sentido ofendido por petições assinadas por um colega de profissão que defendeu os ex-clientes do primeiro, em ações de cobrança que pleiteavam o repasse de valores.

Na comarca de origem e no segundo grau, entenderam os julgadores que "responsabilizar o advogado pelas teses expostas em demanda judicial - nas quais não cometeu excesso - seria atingir a própria democracia e o direito de defesa dos cidadãos, limitando o exercício da advocacia à fatos concretos e provados, não possibilitando digressões teóricas e suposições fáticas, o que geraria prejuízo ao exercício de defesa e a função do advogado e da Justiça".

Nesse sentido, em agindo o profissional dentro dos limites legais e das prerrogativas conferidas pela Constituição Federal e pelo Estatuto da OAB, assim como em exercício regular de direito, não tendo ocorrido excessos nem ofensas pessoais, inviável seria condenação da advogada ré da ação cível a indenizar o profissional que se sentiu atingido.

 

Em contrapartida, outro caso anterior, publicado também pelo Conjur, em dezembro de 2019, saltou aos olhos. A 1ª Turma Recursal Cível, dos Juizados Especiais Cíveis do RS, manteve sentença que condenou um advogado a pagar R$ 2,5 mil como reparação moral ao juiz titular do 5º JEC de Porto Alegre.

Para o colegiado recursal, as manifestações colocadas na petição do causídico incorreram em "excesso", pois teriam imputado ao magistrado conduta inadequada enquanto responsável pelo processo.

A petição do advogado foi transcrita na matéria.

Veja-se que, no primeiro caso acima exposto, entenderam os desembargadores da 5ª Câmara Cível do TJRS que os atos do profissional do direito representando parte em litígio estão abrangidos pela imunidade profissional, a teor do que estabelecem o art. 133 da CF e o art. 7º, §2º, do Estatuto da Advocacia -, obviamente que desde que tais atos não ultrapassem o limite das ofensas pessoais. E nos parece ter sido uma decisão efetivamente acertada.

Já no outro caso, os Juízes da 1ª Turma Recursal Cível do TJRS entenderam que a imunidade conferida ao advogado para o pleno exercício de suas funções, não tem caráter absoluto, já que deve observar os parâmetros da legalidade e da razoabilidade, não abarcando violações de direitos da personalidade, notadamente da honra e da imagem de outras partes ou profissionais que atuam no processo.

Do teor da petição "ofensiva" do segundo caso (que na verdade mais pareceu um desabafo à morosidade do Judiciário do que um ataque pessoal ao magistrado), nota-se que, de fato, houve um certo exagero do advogado peticionando em nome do cliente, pretendendo fosse garantida a prestação jurisdicional e que se prosseguisse o seu processo de execução.

Agora, considerar o eventual exagero (pode se dizer que compreensível - todos sabemos e conhecemos o estresse causado por um processo de execução lento e travado) como tendo sido praticado "com o dolo específico de ofender a pessoa do magistrado", capaz de gerar indenização a ele, nos parece equivocado.

Ou, aproveitando a onda de excessos, um tanto quanto exagerado.

Para resumir e refletir: o primeiro caso era advogado x advogado; o segundo era juiz x advogado.

Só no segundo houve indenização. Enfim é a liberdade de julgar conforme as convicções pessoais.

Serviço A Página da Jovem Advocacia

* Números dos processos

- Advogado x advogado: 021/1.17.0004845-9 (1º grau: Passo Fundo); 70083614875 (2º grau: 5ª Câmara Cível do TJRS).

- Juiz x advogado: 9005623-97.2018.8.21.0001 (1º grau: Porto Alegre); 71008907586 (2º grau: 1ª Turma Recursal Cível).

* Leia as matérias completas de autoria do jornalista Jomar Martins, publicadas no Consultor Jurídico:

Confrontar colega em petição na defesa de cliente não causa dano moral, diz TJ-RS Juiz do JEC ofendido em petição vai ganhar dano moral de advogado gaúcho

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Por que o jovem ainda é tão subestimado?

 

Por que o jovem ainda é tão subestimado?

Em Agudo (RS) - pequeno município gaúcho a 250 km de Porto Alegre - com 17,5 mil habitantes, o jornalista Luis Henrique Kittel, 35 de idade, faz história em sua primeira experiência política. Foi eleito prefeito, derrotando experientes caciques que, há anos, duelam pelo poder local.

Charge de Amarildo Lima – Jornal A Gazeta (Vitória/ES)

A afinidade entre juizite e carteirada

 

A afinidade entre juizite e carteirada

“A síndrome que acomete pessoas que não gostam de receber advogados, nem tampouco ouvi-los. E a situação atual do desembargador Eduardo Siqueira (TJ-SP): afastado da jurisdição, por decisão do CNJ - mas com salários garantidos - ele terá mais tempo para caminhar na praia. E se não quiser usar máscara, ainda disporá de bastante dinheiro para pagar as multas”.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Luz alta nos Conselhos Profissionais

 

Luz alta nos Conselhos Profissionais

O que o acórdão do TRF-4 que condenou o CREMERS pode estar sinalizando em relação às decisões corporativas, das entidades que congregam médicos, advogados, engenheiros... Inclusive para a própria OAB, onde muitos processos ético-disciplinares não tiveram soluções práticas porque alcançados pela prescrição.