Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 22 de setembro de 2020.

Dupla maternidade em nascimento de criança gerada por inseminação caseira



Camera Press - imagem meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

Por Delma Silveira Ibias e Edison Mariante Pimentel, advogados (OAB-RS nºs 25.657 e 92.969)

dibias@outlook.com

Edison.pimentel@hotmail.com

No dia 28 de julho último, o magistrado Rodrigo de Azevedo Bortoli, da Vara de Família e Sucessões da comarca de Lajeado (RS), reconheceu o direito de um casal de mulheres de registrar - em nome delas - sua filha, recém nascida. As duas vivem em união estável desde 14 de fevereiro de 2014; no decorrer da convivência resolveram ter um(a) filho(a) como realização de um desejo comum, o que concretizaram por meio de inseminação doméstica ou caseira.

Todavia, na Declaração de Nascido Vivo (DNV) – expedida pelo hospital local - a criança do sexo feminino nascida em 10 de junho deste ano, consta com o nome da recém-nascida e o da mãe parturiente. A instituição hospitalar se negou a inserir o nome da companheira da genitora.

Em face do ocorrido as duas companheiras (a parturiente trabalha como babá; a parceira é comerciária) foram a juízo requerer a expedição de alvará para possibilitar o registro da criança em nome de ambas. O representante do Ministério Público, em bem fundamentado parecer, opinou pelo deferimento do pedido.

O magistrado, ao deferir, afirma que:

“Ab initio impõe-se a anotação de que a constituição de família extrapola questões puramente biológicas de conservação da espécie, assim não podendo ser analisadas apenas à luz das propriedades reprodutivas próprias aos gêneros humanos - lógica muitas vezes assumida para assentar ainda mais inadequadas  razões, tais como as religiosas, inadmissíveis em um Estado laico como o brasileiro”.

O juiz, após fazer um cotejo sobre os ditames constitucionais, o Código Civil, os provimentos do CNJ, as resoluções do Conselho Federal de Medicina, o Enunciado nº 608 da VII Jornada de Direito Civil e Enunciado 608 do IBDFAM, afirmou ainda, que: 

“No caso em foco, as requerentes, conforme escritura pública declaratória acostada aos autos, mantêm união estável desde o dia 14/02/2014, ou seja, há mais de meia década (e muito antes da gestação em voga), sendo que no decorrer da relação resolveram, de comum acordo, ter um filho para consagrar essa união, desejo de ambas, para o que adotaram o procedimento de inseminação não assistida, mais conhecida como ´inseminação doméstica´, assumindo todos os riscos decorrentes desse método, uma vez que, conforme por elas asseverado, não possuem recursos financeiros para uma inseminação assistida”.

O procedimento restou integralmente exitoso, culminando com o nascimento de uma menina, o que é comprovado pela Declaração de Nascido Vivo acostada à petição inicial, pretendendo o registro de nascimento da menina em nome de ambas as companheiras.

As autoras possuem todos os documentos conforme Provimento nº 63 do CNJ, à exceção da declaração, com firma reconhecida, do diretor técnico da clínica, uma vez que realizaram a inseminação utilizando-se de técnica ´caseira´. Não há legislação regulamentando a questão das inseminações ditas como ´caseiras´, o que faz com que não exista óbice à pretensão.

Da mesma forma, não há qualquer norma que proíba a inserção de duas mães no registro de nascimento de uma criança, sendo possível baseada na sócio afetividade e no princípio da igualdade”. (Proc. nº 5001916-73.2020.8.21.0017).

Neste contexto, ressalto que ambas as companheiras - e agora mães da recém-nascida - serão responsáveis pela educação e criação da menor, de modo que a elas, solidariamente, compete tais responsabilidades, devendo o registro de nascimento retratar a sua realidade social, de forma a demonstrar que foi desejada, amada e criada por duas mães que idealizaram e planejaram o projeto parental.

Sinale-se, outrossim, que no caso em tela, foi observado e assegurado o melhor interesse da criança, que será destinatária do cuidado e afeto de duas mães.

Leia nesta mesma edição do Espaço Vital: 

Anvisa alerta sobre riscos em inseminações caseiras


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Chargista Duke - Dom Total

Boiada contra o consumidor

 

Boiada contra o consumidor

“Medidas de secretaria nacional causam prejuízos a milhões de pessoas. Criou-se no governo um conselho nacional, camuflado de ´defesa do consumidor´, cuja prioridade é a defesa dos interesses das empresas”. Artigo de Marilena Lazzarini, presidente do IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

Imagem: Acervo EV

Justiça do Trabalho, não brinque com a advocacia gaúcha!

 

Justiça do Trabalho, não brinque com a advocacia gaúcha!

“O TRT da 4ª Região criou um grupo para a implementação das medidas de retorno gradual ao trabalho presencial. Ele é formado por duas desembargadoras, cinco juízes, e nove servidores. São 16 pessoas num  grupo de alto quilate. Nenhum advogado foi convidado”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB/RS nº 6.937).

(STF/Divulgação) - Arte EV

Rito de impeachment nos Estados: um debate necessário para proteger a democracia

 

Rito de impeachment nos Estados: um debate necessário para proteger a democracia

“Quatro questões jurídicas de notável relevância constitucional. É necessário que os ministros do STF esclareçam quais são as regras para se instaurar e julgar um processo que pode afastar do cargo de governador de Estado, o representante legitimamente eleito pelos cidadãos”. Artigo de Alisson de Bom de Souza, procurador-geral do Estado de Santa Catarina