Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 22 de setembro de 2020.

O desafio da Ajuris ao transmitir uma mensagem de esperança



Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O Espaço Vital teve uma agradável surpresa, esta semana, ao receber

do juiz Luciano Bertolazzi Gauer, da Comarca de São Borja (RS), uma

mensagem musical. Ela é uma mixagem de cenas e som colhidos nas

casas de magistrados gaúchos, em diferentes cidades, cada um

fazendo a sua parte, para tocar e/ou cantar “Enquanto houver sol”,

composição de Sérgio Britto, difundida pelo som qualificado de Os Titãs,

há 15 ou 20 anos.

Para melhor sintetizar a reunião musical de vários e domésticos

palcos improvisados, pedi ao magistrado Gauer que produzisse

um pequeno artigo. Ele desempenhou muito bem a escrita, como também

ao vocalizar, bem afinada, a opção de... “Quando não houver caminho”.

Mas haverá!

Leiam o artigo e, em seguida, apreciem o videoclipe. Vale a pena!

Marco Antonio Birnfeld, editor do Espaço Vital.

 

Tempo de tolerância, tempo de espalhar amor

Por Luciano Bertolazzi Gauer, juiz de Direito.

O resultado do desafio lançado pela Ajuris, na transmissão de uma mensagem de esperança, não poderia ter sido mais emocionante e gratificante. A Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul, no dia (11.8) em que se celebrou o Dia da Magistratura e da Advocacia, completou 76 anos de existência.  Não houve o baile tradicional.

A data, porém, não poderia passar em branco.  Com a magnífica produção de Beto Chedid e de Nando Rossa (Bumbá Produtora), juízes, desembargadores e familiares lançaram-se intérpretes de um clipe gravado em suas casas, com as limitações que o distanciamento social a todos impõe.

A música, de Sérgio Britto, foi democraticamente escolhida.  Não é fácil ficar em casa. Não é fácil se reinventar. Também não é fácil gravar uma música, com a energia necessária, sozinho. “A sós ninguém está sozinho”...

O exercício da jurisdição, nas mais diversas comarcas, também exige superação e criatividade, pois além da rotina forense constantemente alterada, convivemos com a expressão de sentimentos e emoções, como nunca antes. 

“Todo cambia” - dizia Mercedes Sosa em sua famosa canção, e essa mudança - que a todos incomoda - refaz a forma de como interagimos com o próximo.  “Enquanto houver sol”, “enquanto houver juízes em Berlim”, haverá - na mesma intensidade - o desejo de que todos encontrem a paz que tanto precisam. 

É tempo de exercitar a tolerância, espalhar amor e crer na nossa resiliência.  Neste momento de turbulência, ainda há de haver fé e esperança de que todos estão carregando o dom de ser feliz e a incrível capacidade de tornar a vida do próximo mais leve e mais doce!

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas