Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 27 de novembro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/jovem_advocacia vermelho.jpg

Adaptação é a palavra da moda para a advocacia



Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Nesta semana comemorou-se o Dia do Advogado. O 11 de agosto foi o ápice do marco de reconhecimento da profissão, destacada na Constituição Federal como indispensável à administração da justiça.

Em celebração ao dia, à semana e ao mês do advogado, diversos foram e são os eventos programados pela OAB/RS. No início do mês houve a realização da V Conferência Estadual da Mulher Advogada. De 12 a 14 (esta sexta-feira), está ocorrendo a IX Conferência Estadual da Advocacia, denominada pela Ordem como “o maior evento digital da advocacia gaúcha”, tendo como pano de fundo os impactos da sociedade tecnológica na advocacia.

Além disso, durante todo o mês, capacitações, cursos, debates, eventos e palestras estão sendo promovidas pela Ordem, de forma completamente virtual, em parceria com a CAA/RS, com a ESA/RS e com participação das diversas Comissões da entidade.

Aos interessados, basta acessar os canais virtuais da OAB/RS e buscar as informações pertinentes.

No mês do advogado, duas novidades importantes merecem destaque.

a)   No dia 06 de agosto, o governador Eduardo Leite sancionou os Projetos de leis nºs 115/2020 e 116/2020, que transformaram em lei o acesso ao IPE Saúde para advogados e advogadas gaúchos. Após anos de mobilização - por meio de uma construção democrática, transparente e positiva - houve a sanção dos projetos por videoconferência.

De fato, é uma conquista importantíssima e histórica para a advocacia gaúcha. Resta agora aguardar como será a   formalização e a regulamentação da lei, assim como a forma de adesão dos advogados ao IPE Saúde.

b)  A outra novidade, também motivada pelo luta da Seccional gaúcha, diz respeito à ampliação dos serviços do INSS Digital, passando a contar atualmente com 45 itens.

A melhora na funcionalidade e no atendimento do programa é vital para a advocacia previdenciária.

Para finalizar, quais as perspectivas e expectativas para a jovem advocacia?

Em artigo publicado no Correio do Povo, no Dia do Advogado, uma afirmativa em especial do presidente Ricardo Breier ganhou destaque: “A voz da cidadania está diante de um dos mais importantes desafios da sua existência. A advocacia, que por preceito constitucional é indispensável à administração da justiça, vai se adaptando a uma nova realidade.”

Provavelmente adaptação seja a palavra chave para o atual cenário experimentado pelo jovem profissional. É necessário adaptar-se às constantes mudanças promovidas pelo Poder Judiciário, aceleradas pela pandemia e também pela virtualização do processo tradicional, assim como ensinado nas faculdades de direito.

É necessário adaptar-se à nova rotina forense, que muitas vezes colide com afrontas às prerrogativas profissionais. É necessário adaptar-se às novas diretrizes do mercado, já saturado de advogados. É necessário adaptar-se, mantendo o ritmo constante de estudos. Enfim, definitivamente adaptação é a palavra da moda.

O mestre Sobral Pinto disse uma vez: “A advocacia não é profissão de covardes". Para o profissional indispensável à administração da justiça, essa frase nunca na história soou tão bem como atualmente. Vamos todos à luta! Sejamos todos corajosos! Parabéns aos advogados e advogadas!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Por que o jovem ainda é tão subestimado?

 

Por que o jovem ainda é tão subestimado?

Em Agudo (RS) - pequeno município gaúcho a 250 km de Porto Alegre - com 17,5 mil habitantes, o jornalista Luis Henrique Kittel, 35 de idade, faz história em sua primeira experiência política. Foi eleito prefeito, derrotando experientes caciques que, há anos, duelam pelo poder local.

Charge de Amarildo Lima – Jornal A Gazeta (Vitória/ES)

A afinidade entre juizite e carteirada

 

A afinidade entre juizite e carteirada

“A síndrome que acomete pessoas que não gostam de receber advogados, nem tampouco ouvi-los. E a situação atual do desembargador Eduardo Siqueira (TJ-SP): afastado da jurisdição, por decisão do CNJ - mas com salários garantidos - ele terá mais tempo para caminhar na praia. E se não quiser usar máscara, ainda disporá de bastante dinheiro para pagar as multas”.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Luz alta nos Conselhos Profissionais

 

Luz alta nos Conselhos Profissionais

O que o acórdão do TRF-4 que condenou o CREMERS pode estar sinalizando em relação às decisões corporativas, das entidades que congregam médicos, advogados, engenheiros... Inclusive para a própria OAB, onde muitos processos ético-disciplinares não tiveram soluções práticas porque alcançados pela prescrição.