Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre,sexta-feira, 5 de março de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 9).
https://espacovital.com.br/images/leitores.jpg

Conclusão de que 2020 será mais um ano perdido para o Grêmio



Edição de Gerson Kauer sobre foto GFPA (Divulgação).

Imagem da Matéria

  • Sobre Jus Azul: “Um acepipe e um constrangimento”

“Na vida se aprende com os erros do passado. Pelo menos para as pessoas normais. Eu esperava que a direção do Grêmio, com a saída do Duda Kroeff , enquadrasse o Renato nos seus rompantes de peladeiro. Mas não, ao permitir que ele escale um ex-jogador como o Thiago Neves, e outras substituições esdrúxulas, chego à conclusão que 2020 será mais um ano perdido. E a direção será, mais uma vez, a maior culpada”.

(ass). Luís Guedes Condessa, geólogo.

“Escrevo indignado logo após o fiasco da noite desta quinta-feira quando perdemos para o Sport. Um arremedo de time. Atletas desinteressados. Um Thiago Neves que é sucessão de fiascos; ele é mais um bonde que Romildo Bolzan e Renato Portaluppi enfiaram nas finanças do Grêmio, como já tinha ocorrido com André Balada, Felipe Vizeu e Diego Tardelli. Etc. etc. Sem esquecer do caríssimo - refiro a cifrões - Kleber Gladiador que, graças ao ex-presidente Paulo Odone e a desmandos administrativos das últimas gestões,  enfiou um milionário passivo, goela abaixo do clube e da torcida. Um vexame o Grêmio 2020!”.

(ass). Amilcar Martini Zabaletti, contador. 

  • Sobre “Magistratura federal prepara-se para nova bênção de penduricalho$”

“Para ficar mais condizente com a liturgia. ´Ad verecundiam faciem omnium egestas atque inopia. Ou seja, total falta de vergonha na cara. Como diria Rui Barbosa: "Há muito mais de engenhoso do que de filosófico".

(ass.) Rodger Gonçalves de Almeida, advogado.

  • Sobre “Quod erat demonstrandum? Não! É muito pior...”

“Neste caso qual seria a opinião do articulista quanto, também, a dois outros problemas nesta decisão sem pé nem cabeça:  é uma provável violação ao princípio da adstrição e da vedação à decisão surpresa, pois o expurgo dos juros moratórios não foi tema debatido”.

(ass). Oswaldo Vianna Ferreira, engenheiro.

  • Sobre 1,2,3, Já! - É melhor conciliar.

“Participei de uma audiência trabalhista em Goiás, há alguns anos (quando ainda penava nas hostes da advocacia) e a advertência da juíza refletia bem esse espírito “conciliador", que é filho mais velho da lei do mínimo esforço. “Enquanto não fizerem um acordo, não sairão da minha sala" - disse, aos berros, em tempo mais do que imperativos. Ela era conhecida por uma característica: nunca proferia sentenças. Batia um desgastado carimbo homologatório”.

(ass.) Paulo Américo de Andrade, consultor de empresas.

  • Sobre Escreva Direito: “Mais palavras e expressões perigosas”

“Sou um apaixonado pela língua portuguesa e a coluna do professor Ledur é uma ótima fonte de aprendizado. Leia-a todas as sextas-feiras, aqui no distante Rio Grande do Norte”.

(ass). Minervino Wanderley Neto, jornalista.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

nissin.com.br

    Sobre “Uma receita de miojo picante que não comoveu Alexandre de Moraes”, etc.

 

Sobre “Uma receita de miojo picante que não comoveu Alexandre de Moraes”, etc.

  •  Desde quando juízes leem petições?
  • A banalização de posturas injuriosas que afeta a credibilidade da justiça é causada por juízes.
  • A baixa qualidade de
  • Onde está nossa amada, idolatrada e feroz cobradora de anualidades, a OAB?
  • Participação da jornalista Jurema Josefa e dos advogados Juarez Onofre Venning, Eliel Karkles, Simone Maria Serafini, Gustavo Davila, Paulo Ortega, Maurício Antonacci Krieger, Audi Marli Antunes, Alex Jung e Ciro Castilho Machado e do auditor César Augusto Hülsendeger.
  • A juíza do Trabalho que chegou às 11h para a audiência das 9h, na Quarta-Feira de Cinzas.

Imagem: Google - Edição EV

A pomba que “acertou” cabeça e paletó da autoridade...

 

A pomba que “acertou” cabeça e paletó da autoridade...

  • Jornalista Jurema Josefa revela curioso incidente ambiental, quando desembargador foi visitar a Cia. Jornalística Caldas Júnior.
  • Os cuidados com o “home office”.
  • A coragem da advogada Bernadete Kurtz, ao verberar que o TRT-RS está “brincando com a advocacia”.
  • A absurda aposentadoria de R$ 17 mil para um ex-funcionário do CF-OAB.
  • Elogios ao artigo “A incidência da proteção do CDC sobre as seguradoras”.
  • Participação dos leitores César Augusto Hülsendeger, Maria Elisa Dexheimer Pereira da Silva, Karlla Patricia, Silvia Lopes Burmeister, Virginia Barbagli, Caroline Mandracio Pereira e Franklin J. M. Cunha.

Arte EV

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 “No Rio Grande, as pessoas praticam crimes de racismo com a certeza da impunidade”.

 Críticas e elogios à digitalização dos processos físicos como encargo para a advocacia.

 Processo eletrônico: “Impressiona a falta de consistência técnica do TJRS, onde tudo é confuso”.

 Congratulações para Rafael Berthold e Roberto Siegmann, colunistas do Espaço Vital.

 Participação dos leitores Antonio Pani Beiriz, Rejane Griesang Schenkel, Graziela Terezinha Finger, José Flavio Breno Fischer, Luciano Maria Gonçalves Fava, Jorge Luiz Aguiar Dias, Carlos Alberto Andrade, Teresinha Grando Cavalcanti, Katiane Romanini, Luiz Carlos Chuvas e Leonardo Joel Handler.

Imagem Screenshot meramente ilustrativa - Arte EV

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 Um modo simples para garantir o andamento dos processos: colocar funcionários do TJRS para digitalizar autos físicos.

• Processos aguardando juntada de petições desde 20 de fevereiro (antes da pandemia).

 Elogios ao magistrado aposentado Osvaldo Peruffo e ao ex-escrivão Sérgio Araújo.

 Carga programada para a digitalização: “Os advogados vão fazer o trabalho do Judiciário, em troca de uma ilusória celeridade”.

 Participação dos leitores Henrique Júdice Magalhães, Simone Maria Serafini, Alberto Karoly, Leonardo Handler, Cicero Barcellos Ahrends, Maico Volkmer, Clovis Borba dos Santos, Marcelo Battirola, Francisco Antonio Fresina Neto, Paulo Américo de Andrade, Victor Marona, Rogers Trott, Carlos Alberto Dossena, Cleuson De Pariz Zippinotte e Virginia Keller.