Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O Meretrício Doutor Juiz



Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A maioria dos servidores estava em greve. O juiz tentava realizar as audiências, mesmo com parcos recursos de pessoal: só dois funcionários no fórum e, cedida pela prefeitura, uma estagiária de limitados conhecimentos vernaculares e jurídicos.

Um grande rolo aportara recheado de papelório: um inquérito sobre tráfico de drogas, com prisões, habeas corpus e enorme apreensão feita na zona do meretrício. A jovem estagiária Juliana - carinhosamente conhecida como Juju - instada pelo magistrado, mostrou-se disposta: “Doutor, eu posso digitar a audiência, mas não sou muito rápida no computador. Nem tenho experiência nesses tais de termos de juridiquês...

- Sem problemas. Iremos devagar – admitiu o juiz.

Ele ouvia os depoimentos, e ditava para Juju. A duras penas os termos eram concluídos e assinados, um a um, pelos depoentes, pelos defensores e pelo promotor. O juiz assinaria tudo de uma vez, no final.

Quatro horas e meia depois terminou a audiência; então todos foram embora e o magistrado - ficando só - resolveu dar uma lida. Perplexo, então, observou que, em todos os depoimentos, toda a vez que ditara “zona do meretrício”, a estagiária fizera constar “zona do meretíssimo”. Não havia mais como consertar o que estava escrito e impresso, pois os depoimentos eram muitos e estavam todos assinados. A solução foi deixar assim mesmo...

Mas o juiz foi precavido, ao sentenciar. Para evitar embargos advocatícios ou embaraços no tribunal - se o MP e os desembargadores chegassem a ler os depoimentos atentamente... – o magistrado fez constar, em letras itálicas, a seguinte observação:

“Registro preliminarmente que, nos depoimentos, as reiteradas referências feitas à ´zona do meretíssimo´ [e nem sequer ´meritíssimo´ era...], a esforçada estagiária que auxiliou na prestação jurisdicional cometeu repetidos equívocos: a intenção foi a de digitar, evidentemente, ´zona do meretrício´, local da cidade onde se deu a vigorosa ação policial e a consistente apreensão de drogas”.

No segundo grau, MP e Corte passaram voando, sem escalas, por cima dos erros de digitação. E a sentença foi confirmada.

Na comarca, a estagiária Juliana ficou conhecida - além de Juju - como a “meretíssima estagiária” (e nem meritíssima era). E na região, o eminente juiz foi gozado pelos colegas. Ganhou o epíteto de “meretrício Doutor Fulano”...

Falta agora esperar que a mordaz ironia tenha seu trânsito em julgado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.