Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 23 de outubro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O constrangedor erro erótico do “copia/cola”



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O “Maior Cola/Copia do TJRS” - aqui revelado na sexta-feira passada - trouxe à recordação um acontecimento parecido, de março de 2017, em uma altaneira corte brasileira. Era um processo volumoso, antigo e complicado, de rescisão contratual de representação comercial. O estagiário tinha posto os volumes em ordem e pulverizara álcool 70 para eliminar os ácaros. A sentença não satisfizera as duas partes.

Em grau de apelação, o assessor recebeu os memoriais e se pôs-se a lê-los, antes de minutar o projeto de voto, que submeteria à leitura minuciosa e à aprovação do douto desembargador.

De repente, os olhos do assessor se arregalaram. Em meio ao item 7, iniciado por grandes digressões jurídicas, havia um trecho surpreendente: “Ter relações na parte da manhã impulsiona tanto o nosso estado de espírito como o nosso sistema imunológico”.

E por oito parágrafos densos seguiram-se revelações mais pertinentes a um livro de Sexologia, do que a uma peça dita jurídica.

O assessor resolveu exibir ao magistrado. E entre frases insinuantes (que talvez pudessem ser 69 – ninguém se deu ao trabalho de contar...) os dois leram preciosidades, neste padrão: “A Revista Lifestyle Mirror recentemente publicou que o sexo regular aumenta o fluxo sanguíneo e diminui os hormônios do estresse no organismo, que causam estragos na pele” (...) “De acordo com a US National Library of Medicine, as pessoas que fazem mais sexo possuem pressão arterial muito mais baixa”.

E por aí se ia.

Até que uma frase foi mais reveladora: “Minha amada... (seguia-se um nome feminino), de acordo com a Revista Women's Health, a estimulação vaginal pode aliviar dores crônicas nas costas, dores nas pernas, dores de cabeça e enxaquecas”.

O magistrado orientou o assessor a que ligasse ao advogado pessoalmente, resumindo a surpresa, para sugerir-lhe que - querendo - requeresse que, “para sanar erro de copia/cola, fossem tarjadas de preto todas as frases e expressões equivocadamente postas e que refogem ao debate jurídico”.

A petição deveria ser levada em mãos diretamente na câmara cível, para evitar escorregões e vazamentos protocolares.

O advogado agradeceu, desculpou-se, digitou rápido e em menos de uma hora chegou ao TJ, onde foi recebido pelo desembargador numa das salas de sessões (vazia), convenientemente sem terceiros intrusos.

O anfitrião foi educado (“Essas coisas acontecem”) e sintético ao despachar a petição: “Junte-se. Defiro. Tarje-se”.

Três minutos depois, agradecido, o advogado saiu vermelho e suado, mas aliviado. Tudo o que fora capaz de ruborizá-lo estava definitivamente encoberto por espessa tinta preta.

________________________________________________________________________________________________

Dê a sua opinião!

O Espaço Vital estimula a participação dos leitores. Opine, utilizando o formulário disponível abaixo em A PALAVRA DO LEITOR.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

O pó que assustou os juízes

 

O pó que assustou os juízes

Numa ação de direito de vizinhança contra o Clube do Comércio de Porto Alegre, a prova decisiva foi feita em plena sustentação no tribunal. Um pó alaranjado atingiu e tingiu também os engomados punhos e os bem cortados colarinhos  das impecáveis camisas brancas de Suas Excelências. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

Um automóvel muito conhecido...

 

Um automóvel muito conhecido...

O excelentíssimo senhor operador jurídico, acompanhado da inteligente namorada-assessora, ingressa no pátio do motel, toma o rumo da garagem do apartamento indicado pelo recepcionista e... surpresa! O carro estacionado bem ao lado tinha algo de muito familiar...

Ilustração: Gerson Kauer

Loira com ou sem futebol ?...

 

Loira com ou sem futebol ?...

A troca de um ´monumento loiro cacheado´ pelos descerebrados do futebol. “Isso nos equipara a um quadrúpede irracional que, frente a um quilo de ouro e um quilo de feno, avança sobre este e despreza aquele” - conta o advogado Carlos Alberto Bencke, autor do texto.

Ilustração: Gerson Kauer

O juiz autêntico e a testemunha mentirosa

 

O juiz autêntico e a testemunha mentirosa

No processo-crime em que três policiais civis estavam denunciados por crime de tortura, estava depondo uma testemunha de defesa. Pelo que se percebia, ante as feições do magistrado, tudo indicava que ela estivesse mentindo. “Interrompam tudo!” - determinou o juiz.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

O Meretrício Doutor Juiz

 

O Meretrício Doutor Juiz

O volumoso inquérito sobre tráfico de drogas - com prisões, habeas corpus e apreensão feita na zona do meretrício - aportara no fórum. A jovem estagiária Juliana mostrou-se disposta a digitar os termos da audiência, mas ressalvou: “Doutor, eu não sou muito rápida no computador, nem tenho experiência nesses tais de termos de juridiquês”...