Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 23 de outubro de 2020.

Boiada contra o consumidor



Chargista Duke - Dom Total

Imagem da Matéria

Por Marilena Lazzarini, presidente do conselho diretor do IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

Imprensa@IDEC.org.br

Não é incongruente falar sobre os 30 anos do Código de Defesa do Consumidor (CDC) citando ministro de outra área, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, autor da emblemática proposta de “deixar passar a boiada”, convalidada pelo governo federal. Sem a visibilidade dos incêndios, as patas da boiada pisoteiam os interesses dos cidadãos desde 2019, quando a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) enviou para o STJ nota técnica favorável aos planos de saúde e publicou portaria favorável às instituições financeiras, permitindo o assédio do telemarketing aos aposentados 180 dias após o início do recebimento do benefício.

Na pandemia, foi contra a redução das mensalidades escolares e o cancelamento de contratos sem multa. Promoveu acordos desvantajosos aos consumidores de serviços aéreos e turismo. Tais medidas, enquanto causam prejuízos a milhões de pessoas, têm facilitado a vida das empresas no Judiciário.

Em 7 de julho último, o Decreto nº 10.417 veio para a boiada derrubar de vez as cercas que protegem os mais frágeis. Criou-se no governo um conselho nacional, camuflado de “defesa do consumidor”, cuja prioridade é a defesa dos interesses das empresas.

No decreto, a vulnerabilidade do consumidor, princípio basilar do CDC, ficou para trás. Seu propósito implícito é reduzir direitos importantes para a sociedade e a economia. Seu objetivo é desregular, revogar atos normativos e, de forma inconstitucional, ajudar as empresas em relação à atuação dos Procons e às multas que aplicam.

Para a boa condução da boiada, foi assegurada, no conselho, a maioria absoluta dos votos para representantes do governo e proibida a divulgação das discussões em curso sem a prévia anuência do titular do órgão a que o conselho se vincula, contrariando, sem pudor, o ditame constitucional da publicidade dos atos da administração pública.

Nossos direitos, nosso Código de Defesa do Consumidor, estão sob ataque, precisam ser defendidos.

________________________________________________________________________________________________

Dê a sua opinião!

O Espaço Vital estimula a participação dos leitores. Opine, utilizando o formulário disponível abaixo em A PALAVRA DO LEITOR.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Edição EV sobre foto Google Imagens

O partido da OAB/RS

 

O partido da OAB/RS

“Não compactuamos com a partidarização da Ordem, nem com tentativas oportunistas como a ocorrida em recente live, sob o título de ´A Democracia, a Cidadania e o Estado de Direito do Brasil´. Nela figuraram o atual presidente do CF-OAB, Felipe Santa Cruz, um ex-governador do Estado do RS e um candidato à vereança em Porto Alegre”. Artigo de Ricardo Breier, presidente da OAB-RS.

Imagens: OAB SC - Arte EV

Como fazer as eleições diretas na OAB?

 

Como fazer as eleições diretas na OAB?

“O que cabe agora é debater o modelo federativo ou o modelo misto, de modo a possibilitar que o poder decisório permaneça nas Seccionais, onde o presidente está diretamente conectado com os anseios da advocacia local”. Artigo de Rafael de Assis Horn, presidente da OAB/SC

Imagem: Freepik - Arte EV

Direito à memória, não ao esquecimento

 

Direito à memória, não ao esquecimento

“Não é possível intervir no exercício da liberdade de expressão ou no direito à informação sem que seja afetado o fundamental trabalho da imprensa”. Artigo de Rogério Sottili, Glenda Mezarobba e Lucas Paolo Vilalta, dirigentes do Instituto Vladimir Herzog.