Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Os desembargadores que conheciam ´nada disso´...



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Sessão de uma câmara cível do Tribunal de Justiça, sala de julgamentos lotada. Uma chamativa advogada, quarentona, faz, em alta voz, sustentação oral veemente em favor da alteração do registro civil de sua cliente. Esta se tinha por mulher mas fora registrada com nome e sexo masculinos. Em função de algumas controvérsias físicas e factuais, a sentença de primeiro grau negara o pedido.

À medida em que relata peculiaridades do caso, a advogada constata que colegas de profissão que esperam os julgamentos seguintes se alvoroçam nas cadeiras e cochicham entre si. Ela, então, interrompe a sustentação e com gestos amplos pede: “Excelências, requeiro que a sessão prossiga a portas fechadas, em função de uma reveladora e íntima informação que quero fazer”.

Os desembargadores olham-se entre si, e o presidente defere: “Embora seu pedido devesse ter sido feito antes de iniciado o julgamento, vou atendê-lo. E desde logo, em nome da câmara, desculpo-me ante os presentes, ao solicitar que deixem a sala por alguns minutos. A sessão prosseguirá momentaneamente sob o manto do segredo de justiça”.

Algumas feições surpresas, outras contrariadas etc., a determinação é atendida. A sala de julgamentos fica sem “intrusos”. A porta é chaveada por dentro e, dois minutos depois, a sessão continua.

Certificando-se de que o segredo de justiça está sacramentado, a advogada prossegue e revela: “Senhores desembargadores, eu própria sou uma transgênero!”

E - já então falando em mais baixo tom de voz - põe-se a revelar peculiaridades dela e de sua cliente, até arrematar: “Estou convicta de que os senhores magistrados, profundos conhecedores destas páginas de vida de novas opções e variações sexuais, bem entenderão a extensão do drama que se retrata no processo”.

A apelação afinal é provida. O presidente - mão à frente da boca para impedir a leitura labial - cochicha com os dois colegas desembargadores e meio minuto depois proclama o resultado: “Deram provimento ao recurso, unânime”.

Mas arremata, em seguida, que precisa fazer um reparo extra autos. E olhos fixos na advogada, arremata: “Doutora, sobre essas variações sexuais a que a senhora se refere, há que ficar claro que meus dois colegas e eu conhecemos absolutamente nada disso!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.