Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

A doutrina jurídico-musical de Lupicínio Rodrigues e João Gilberto



Imagens: Freepik - Joao Gilberto: Divulgação via Sul21 - Lupicinio: Blog vidanovametabolica

Imagem da Matéria

A esposa, apaixonadíssima pelo marido, ao chegar em casa, encontra-o no leito conjugal, em escancarada intimidade com a sua melhor amiga. Incontinente, pega uma espingarda e ceifa a vida do seu cônjuge. No júri popular, os jurados acolhem a tese defensiva de “homicídio simples, com a presença da violenta emoção, logo após, injusta provocação da vítima”.

O Ministério Público de primeiro grau apela, pretendendo levar a acusada novamente a júri, por homicídio qualificado.

A procuradora de justiça - além de contundente parecer escrito pelo provimento do apelo - faz uma sustentação oral candente, em prol do provimento ao recurso.

O presidente (e também relator) começa a falar sobre os pecados da alma. No voto, ele avalia que ela, a esposa, “na realidade, estava arrependida, e sua dor era tão grande que, certamente, se acaso fosse possível voltar atrás, jamais praticaria tal delito, pois o que quisera fora simplesmente acabar com a dor que invadia seu coração”.

O julgador então busca anotações e lembra “Nervos de Aço”, música de Lupicínio Rodrigues:

“Você sabe o que é ter um amor, meu senhor /

Ter loucura por uma mulher /

E depois encontrar esse amor, meu senhor /

Nos braços de um tipo qualquer...” 

E por aí se vai, lendo todas as rimas. Ao final, compara: “Se Lupicínio Rodrigues tivesse, nos versos, substituído a expressão ´uma mulher´ pela palavra ´alguém´, a rima branca se assentaria como uma luva ao caso”. 

O desembargador revisor acompanha.

Mas o julgador vogal suscita versos de João Gilberto em sentido contrário:

“Aos pés da Santa Cruz, você se ajoelhou /

Em nome de Jesus, um grande amor você jurou /

Jurou, mas não cumpriu, fingiu e me enganou /

Pra mim, você mentiu /

Pra Deus, você pecou”.

Por dois votos a um, é negado provimento à apelação do Ministério Público, mantendo a condenação por homicídio simples. Proclamado o resultado, chama a atenção, na plateia da câmara criminal, uma mulher cabisbaixa.

Ela veste cinza e preto, e chora copiosamente. É a outrora esposa enganada - assassina - viúva - denunciada, que aguarda em liberdade o julgamento de segundo grau.

Anos depois fica-se sabendo que, com bom comportamento, ela cumpriu sua pena. E que - em regular liberdade - mudou-se para longe, sem deixar pistas.

______________________________________________________________________________________________________________________________

(Sintetizado a partir de um conto escrito pelo magistrado Gilberto de Paula Pinheiro, em “A Justiça Além dos Autos”, publicação do CNJ).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.