Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/on_off_3.jpg

Invadiram o STJ e apagaram 1.200 servidores...



Cena que tem se repetido no mercado corporativo há muitos anos: invasão de computadores para se pedir resgate ou simplesmente para inutilizar os arquivos, fazendo com que o trabalho seja perdido. Fato que diria corriqueiro, se não estivéssemos falando de uma das mais altas cortes do país.

Tirando o aspecto político da invasão, temos um alerta vermelho para o fato: ele não é isolado e tem assolado todos os dias com notícias similares, no mundo todo.

Mesmo aquelas invasões que - muitos concordam - sejam por fins políticos (partidários ou não), seja pela suposta “nobreza” da causa da invasão (aqueles que pensam que a mesma foi merecida), temos que compreender que isto nos traz insegurança jurídica e perda da paz social.

De um lado, devemos aprender que nenhum servidor (máquina onde se armazenam os documentos) é impenetrável. Prova disto é que já invadiram todos os tipos de servidores no mundo (NASA, CIA, Casa Branca, Moscou, Governo Brasileiro e empresas como Microsoft, Amazon, Apple, etc.). E não seria a máquina de um escritório de advocacia a mais segura de todas para evitar, caso quisessem invadir.

Todavia, investir em segurança é um dos pontos nevrálgicos, quiçá essenciais nos dias atuais.

De outro lado, temos que compreender que além da tecnologia, outra brecha de segurança gigante (talvez a maior) seja a pessoa que opera a máquina, o bendito usuário.

Seja porque alguns usuários deixam a senha escrita num papel, num arquivo sem segurança alguma, ou outras situações de vulnerabilidade, como abrir links em e-mails ou ver vídeos através de e-mails ou redes sociais de pessoas desconhecidas (ou até conhecidas que podem ter sido invadidas).

Vivemos um mundo onde desconfiar é o mínimo; cuidar da segurança é essencial; e principalmente treinar a equipe pode evitar dores de cabeça maiores.

O ataque ao STJ poderia ter sido evitado? Talvez, mas o ponto crítico além do ataque em si foi o fato de o backup da Corte estar conectado aos servidores e não existir backups off line - algo que defendo desde os anos 90.

Esteja on line, faça backups e tenha acesso pela internet, mas faça como a vida que somente é realmente vivida no off line: tenha cópias de seus arquivos em HDs, ou computadores desplugados da internet de forma permanente (é recomendado fazer uma cópia por semana) e preferencialmente leve este backup para fora do escritório.

A segurança agradece.

_____________________________________________________________________________________________________________________________

Coloco o meu endereço de e-mail à disposição dos leitores. Comentários, sugestões etc. serão bem-vindos: gustavo@gustavorocha.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Retrospectiva tecnológica 2020

 

Retrospectiva tecnológica 2020

Os advogados terão que - no dia a dia da profissão - aprender a usar mais os recursos da tecnologia com salas virtuais junto aos tribunais (e seus diversos sistemas diferentes, Google Meet, Cisco Webex, Zoom, Microsoft Teams, entre outros). E manejar QR Codes com links para vídeos no YouTube e, brevemente, acesso ao Espaço Vital.

Montagem EV sobre foto Visual Hunt

Juízo 100% Digital: algoritmos julgando vidas?

 

Juízo 100% Digital: algoritmos julgando vidas?

“Aprovado pelo CNJ vem aí um sistema onde tudo funcionará de forma digital: o trâmite processual, as audiências, o atendimento aos demandantes, etc. Mas precisamos de advogados como administradores da paz social; servidores como elo de garantia ao acesso jurisdicional; juízes como decisores dos fatos dentro dos processos.”

LGPD: já temos a primeira sentença. E agora?

“Parceiros” da Cyrella obtiveram os dados do comprador do imóvel, para que pudessem assediá-lo na tentativa de fornecer a ele serviços estranhos aos prestados pela própria empresa vendedora do imóvel. Reparação moral será de R$ 10 mil.