Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de maio de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 18).
https://espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

O Juízo Final no Internacional



Arte EV sobre imagem Notibras

Imagem da Matéria

De janeiro de 2017 a novembro de 2020, foram contratados os seguintes jogadores pelo Internacional:

2017 – Roberson; Neris; Klaus; Alemão; Uendel; Carlinhos; Carlos; Cuesta; Potker; F. Gutiérrez; Edenilson; M. Cirino; Damião; Camilo. 

2018 - Roger; Gabriel Dias; Patrick; Ruan; Dudu; Nonato; Welington Silva; Zé Aldo; Moledo; Rossi; Zeca; Fabiano; Lucca; Rithely; J. Álvez; Guerrero; Sarrafiore; Emerson.

2019 – Neilton; G.Parede; Sóbis; Bruno; Lindoso; Galdezani; Tréllez; Natanael; Bruno Silva.

2020 – Musto; Rodinei; Galhardo; M. Guilherme; Moisés; Boschilia; Gustavo; Saravia; M. Jussa; Yuri Alberto; L. Ribeiro; Abel Hernández; L. Fernández e Maurício.

No total 55 jogadores; destes, apenas nove deram certo. Foram gastos, sem contar os salários, R$ 45,6 milhões do orçamento colorado. Nesta avaliação foram considerados neutros aqueles que ainda estão vinculados ao clube e podem em tese, mudar o rendimento.

Além disso são investidos milhões em profissionais de futebol, assessorias técnicas e equipamentos de avaliação. Até hoje, pelo vestiário passaram dois vice-presidentes de futebol. Um (Roberto Melo) quase estável, pois sem ganhar um título sequer, foi mantido por um período e meio de gestão, alçando-se à época candidato à sucessão presidencial.

O outro (Alessandro Barcellos) que permaneceu por quase um ano, é considerado um expert no planejamento administrativo. No seu período acumulou vergonhosas derrotas em Gre-Nais, contrabandeando a política para o vestiário, com os efeitos deletérios sentidos agora. É cotado como virtual presidente do Internacional, pois como candidato submeter-se-á ao julgamento do Conselho Deliberativo no próximo dia 26 e, passando, ao julgamento pelos sócios.

É uma espécie de juízo final determinante do futuro que desejamos ao nosso Internacional. Aquilo que vivemos hoje tem responsáveis que não podem ser anistiados pela decisão do Conselho Deliberativo. Todos nós, conselheiros, temos a responsabilidade de representar os sócios e não temos o direito de esquecer que eles esperam isto de nós.

A hora de julgar, de cobrar responsabilidades e de construir um futuro diferente – melhor – será no dia 26 de novembro quando apenas dois candidatos passarão no Conselho para a fase seguinte da eleição.

A realidade é a verdade que se impõe aos projetos fantasiosos, jamais praticados quando eles estiveram no comando. Não há o canto da sereia, há causas determinantes do por vir.

Fica a pergunta:  e se o Conselho não tivesse escolhido o Vitório Píffero?

É hora de prestar contas daquilo que cada um de nós fez pelo glorioso Sport Club Internacional!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A loiraça belzebu

 

A loiraça belzebu

Tudo indicava que o sonho do clube seria realidade: a contratação de um atleta jovem, capaz de jogadas espetaculares. Mas... uma dama da noite entra em cena e faz vistosa marcação cerrada. Agora, o prometido goleador passa a necessitar de R$ 1 milhão.

Imagem Contilnet Notícias

Fala, fala e não entendo nada

 

Fala, fala e não entendo nada

Os jogadores de futebol como todos os profissionais, guardam grandes diferenças intelectuais e comportamentais entre eles. Devemos levar em conta a origem social e o desenvolvimento seletivo da vocação futebolística.

Visual Hunt

O “Morcegão” colorado

 

O “Morcegão” colorado

Quem teve o privilégio de integrar a estrutura do vestiário colorado pode conhecer figuras que fazem parte da história do clube. O mais próximo foi o Osmair que exerceu sempre com muita competência a tarefa de “ficar de olho” nos jogadores.

Arte EV sobre imagem Medium.com

Falta generosidade no Inter

 

Falta generosidade no Inter

Na semana em que veio à tona que o Abel Braga teria chamado, dentro do vestiário, os atuais dirigentes do Internacional de “moleques” e em plena pandemia, o Pernambuco é despedido. Ele tinha uma vida dedicada ao clube, com 50 anos de serviços prestados.