Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

O vírus que atacava os juízes



Fotos: Internet/Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Roberto Siegmann, publicado pelo Espaço Vital em 03.07.2020

Esquecer daquilo que nos faz mal e lembrar do melhor da vida é uma vantagem e tanto. Nosso HD não resistiria se armazenasse frustrações, decepções, injustiças e tragédias.

Poucas Juntas, um tribunal enxuto e várias audiências por dia, era a realidade daquela comunidade de advogados trabalhistas, juízes e servidores. Nos corredores sabia-se de tudo, os acontecimentos das audiências, o havido e o não havido.

Conheci uma advogada - mulher forte, austera e inteligente - que tinha a vida de lutas marcada no olhar. Ela caminhava com rapidez pelos corredores e escadarias, sempre com as pastas das audiências junto ao corpo, como se abraçasse aos trabalhadores que defendia com obstinação.

Aos poucos, para quem a conheceu, a desafiadora figura foi cedendo espaço à guerreira. Lutadora incansável pelo respeito às prerrogativas da advocacia.

Estava presente na manifestação contra os elevadores exclusivos para magistrados, nas reações à violação a algum advogado, solidária às reivindicações dos servidores e, principalmente, na preservação do Direito do Trabalho.

Na saída de uma audiência, ela para e me confidencia: “Dirigi-me à juíza como doutora e excelência e ela a mim como Élida. Não tive dúvida, retribui chamando-a de vizinha”.

A doutora Élida Costa possuía um refinado humor, eram marcantes as suas afirmações e respostas satirizando situações.

Cansada com a “juizite” de alguns magistrados, a nossa querida Élida abordou publicamente o presidente do TRT-4: “O senhor tem que tomar uma providência urgente, substituindo as cadeiras dos juízes da 4ª Região por outras novas”.

Sem entender, o presidente indaga do porquê, recebendo a resposta: “Há um terrível vírus nas cadeiras utilizadas pelos juízes. Tal vírus ingressa no corpo humano pela parte menos nobre, instalando-se na mais nobre, o cérebro, alterando radicalmente aqueles que pensávamos conhecer”.

A Dra. Élida fez parte de uma época, de um perfil de advogados e de advogadas intransigentes nos princípios, e exuberantes em humanidade.

Tive a felicidade e a honra de participar da sua indicação para uma destacada homenagem do TRT-4. Esta, juntamente à Comenda Oswaldo Vergara - com que a OAB-RS a homenageou - e aquela recebida do TST, revelam o respeito, a admiração e o carinho que nos provocou.

Que ela viva durante muito tempo na nossa memória.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagem MeusDicionarios.com.br

Faz de conta...

 

Faz de conta...

Uma intimação de 56 folhas que alcança centenas de ativos advogados. E também advogados falecidos, advogados cancelados, advogados impedidos, advogados suspensos, advogados excluídos.  Artigo de Sérgio Souza Araújo, cidadão brasileiro aposentado, ex-escrivão da 7ª Vara Cível de Porto Alegre.

Enfam, questões raciais, discriminação, Og Fernandes

“Os integrantes do Poder Judiciário precisam superar a compreensão equivocada da realidade e reconhecer os efeitos da desigualdade racial na formação e dinâmica dos conflitos a que são chamados a resolver”. Artigo de Og Fernandes, ministro do STJ e diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). 

Imagem: Freepik - Arte EV

Consequencialismo?

 

Consequencialismo?

“Pode o intérprete – entre iludir e se iludir, entre enganar e se enganar – declarar-se consequencialista, em temas de natureza normativo-constitucional, sem esclarecer nem o ´sentido´, nem a ´referência´ com que emprega a expressão ´consequencialismo´”? Artigo do advogado Alexandre Pasqualini.