Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Jogo de palavras



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB/RS nº 7.968)

O Dr. Oidivo, advogado famoso, saiu de sua cidade na fronteira do Estado para ir a Porto Alegre, onde faria sustentação oral em importante julgamento no Tribunal de Justiça.

Ele era conhecido pela sua oratória, sempre permeada por elogios aos magistrados, aos colegas, ao procurador, aos funcionários, aos estagiários presentes na sala de sessões, ao público. Tudo bem ao estilo do advogado de júri. Ao fim, foi muito elogiado pelos integrantes da Câmara julgadora.

Porém, não vingou a brilhante tese elaborada pelo Dr. Oidivo, em madrugadas inteiras de estudos, inclusive de doutrina estrangeira e Direito medieval. E perdeu a causa. Era um caso importante para o cliente que chegou a pensar em acompanhar o seu patrono à Capital, mas por ele foi dissuadido ao argumento que iria se incomodar com o que diziam os desembargadores e, afinal, não entenderia nada.

Terminado o julgamento, o famoso jurista preparou-se para a volta à sua cidade de origem, com a terrível missão de dar o resultado do julgamento para seu constituinte. Lá chegando, marcou para o dia seguinte bem cedo a visita de seu cliente, homem sabidamente de muitas posses e pouca paciência.

O Doutor Oidivo sabia conduzir uma conversa, mesmo para dar notícias ruins. Dono de uma notável presença de espírito, recebeu o cliente com um largo sorriso e afirmou:

– Seu Adoniram, nossa causa no tribunal foi um sucesso. Os desembargadores perceberam a inteligência da minha tese. Discorri longamente sobre as questões de fato, expus com clareza solar o Direito que socorre um cidadão de bem – como no seu caso – e na hipótese de ocorrência de fatos da mesma natureza que aquela enfrentada nos autos. Enfim, a sustentação oral alcançou plenamente seu objetivo. O senhor não investiu à toa para me deslocar à Capital.        

– Tá, doutor, mas eu ganhei?        

– Seu Adoniram, a vitória em um processo não se resume ao resultado final. Temos de examinar os prós e os contras do acórdão que será lavrado. O que pende a nosso favor é que os desembargadores entenderam a complexidade da causa e fizeram muitas observações sobre o Direito e a jurisprudência aplicada ao caso.

– Mas e aí, doutor? Eu ganhei? – insistiu o cliente, já chegando ao limite da sua pouca capacidade de manter-se calmo. 

– Em resumo, seu Adoniram, eu fui muito bem no julgamento, mas o senhor...

Até hoje o cliente não sabe se ganhou ou perdeu.         


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.

Imagens: Freepik - Joao Gilberto: Divulgação via Sul21 - Lupicinio: Blog vidanovametabolica

A doutrina jurídico-musical de Lupicínio Rodrigues e João Gilberto

 

A doutrina jurídico-musical de Lupicínio Rodrigues e João Gilberto

No julgamento da apelação sobre homicídio praticado pela mulher contra o cônjuge adúltero, a invocação de versos do cancioneiro popular brasileiro. “Você sabe o que é ter um amor, meu senhor / Ter loucura por uma mulher” - evoca o relator. Em sentido contrário, posiciona-se o vogal: “Pra mim, você mentiu / Pra Deus, você pecou”.