Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Imprevistos, intimidades e extravagâncias



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O fato se passa numa audiência criminal. O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga.

A juíza expõe a vantagem da transação e do consequente arquivamento. A mulher concorda em nome da paz, mas exige que o marido lhe entregue “os meus bens pessoais que ficaram na casa dele”.

O homem, previdente, diz que “não há problema, estou com os tais bens em meu carro”. Prontifica-se a buscá-los. Suspensa a audiência por poucos minutos, o homem vai até seu veículo e volta com uma caixa. Coloca-a no chão e, de

seu interior, começa a retirar peças e objetos, colocando-os sobre a mesa. A primeira é uma calcinha - diminuta e roxa.

- Lembra-se, foi comprada em Paris? – ele provoca.

A mulher dá de ombros. A segunda peça é o sutiã:

- Sem o porta-seios, a calcinha não teria valor, pegue e faça bom uso – diz o homem.

A mulher segue calada, com a cara amarrada.

A terceira peça é... – imaginem o leitor e/ou a leitora.

– Você não iria poder viver sem ele – o homem então coloca em cima da mesa um sugestivo artefato erótico de silicone.

Nesse momento, a mulher explode:

– Guarda contigo. Isso não é meu... Que absurdo!

Seguem-se palavras de baixo calão, de parte a parte. E novas provocações:

– É seu!

– Não! Não  é meu!

– É seu, sim! Você até o apelidou de maranhão...

– Mentiroso, safado, tu é que usavas ele...

A juíza, ruborizada, intervém:

– Tirem o maranhão daqui, ou chamo a polícia.

Ninguém toma a iniciativa e, assim, o maranhão jaz sobre a mesa. A magistrada reitera: vai chamar a polícia. É aí que o advogado do marido diz que resolveria o problema: pega o maranhão, retira-o de cena e o enfia embaixo do próprio paletó.

O artefato, assim, sai da cena judiciária.

Assinado o acordo, antes que todos deixem a sala, o advogado do marido trata de esclarecer:

–  Informo que descartarei o maranhão, imediatamente após, na cesta de lixo aqui do andar.

Então, levanta-se e executa a tarefa final. Nunca mais, no foro, fica-se sabendo do destino do maranhão.

Mas há quem especule que mãos travessas se apropriaram do objeto, antes que ele fosse levado na coleta rotineira do Departamento de Limpeza Urbana. 

>>>> 

Adaptado a partir de um texto do desembargador Gilberto Ferreira (TJ-PR), publicado em “A Justiça Além dos Autos”, editado pelo CNJ (2016).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.

Imagens: Freepik - Joao Gilberto: Divulgação via Sul21 - Lupicinio: Blog vidanovametabolica

A doutrina jurídico-musical de Lupicínio Rodrigues e João Gilberto

 

A doutrina jurídico-musical de Lupicínio Rodrigues e João Gilberto

No julgamento da apelação sobre homicídio praticado pela mulher contra o cônjuge adúltero, a invocação de versos do cancioneiro popular brasileiro. “Você sabe o que é ter um amor, meu senhor / Ter loucura por uma mulher” - evoca o relator. Em sentido contrário, posiciona-se o vogal: “Pra mim, você mentiu / Pra Deus, você pecou”.