Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 26 de fevereiro de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 2).

Pantomima da impunidade



Charge Correio Braziliense

Imagem da Matéria

Por Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre - ronchetti@mprs.mp.br

Artigos

Em julho de 2019, publicou-se texto de minha autoria neste prestigioso Espaço Vital sob o título “A quem interessa a liberação do tráfico de drogas?”. Em um dos tópicos, aludi a decisões de um magistrado que, em sede de plantão judicial, advogava a necessidade da descriminalização judicial da atividade comercial do dito pequeno traficante.

Instada, a Corregedoria da Justiça afirmou que o magistrado agiu sob o manto da independência judicial. Na oportunidade, frisei que, conforme o próprio CNJ, o princípio da independência não pode autorizar o descumprimento inequívoco da legislação.

Lamentavelmente, o Plantão Criminal - foro absolutamente sensível que deve ficar imune a ativismos que solapem a observância da legislação - volta à cena jurídica... E na mesma vibe da impunidade e descumprindo orientações da própria CGJ.

Inicialmente, porque prolatam-se decisões de soltura sem prévia intimação do Ministério Público - órgão ao qual compete a representação da sociedade - sob argumentos de que a intimação do “Parquet” é desnecessária por ser melhor para o preso a liberação imediata. Assim, o órgão titular da ação penal pública no Brasil é alijado da crucial etapa do flagrante...

Ora, se um magistrado deseja fazer as vezes de promotor de justiça, alijando-o do processo na etapa do flagrante e se substituindo a ele, prestou o concurso errado.

Mas há outra situação ainda mais abominável do que o ativismo judicial, que encena verdadeira pantomima (cfe. Michaelis, “logro ou embuste”) da impunidade.

Decisões do plantão do Foro Central de Porto Alegre determinam a soltura do flagrado MEDIANTE COMPROMISSO de comparecer mensalmente ao fórum ou mediante compromisso de não alterar o endereço, ou ainda de recolhimento domiciliar noturno. Na prática, porém, o cidadão ao ser liberado não assina nenhum compromisso nem comparece ao Foro, tampouco é fiscalizado o recolhimento domiciliar, tudo motivado (alegadamente) pela pandemia que não é de ninguém ignorada.

Quando o cidadão que foi liberado é procurado para dar sequência ao processo penal e não é encontrado, alguns juízes, de forma descomprometida com a efetividade das decisões anteriores de seus colegas, escudam - ante a ausência de assinatura “do compromisso” pelo liberado - a impossibilidade de exigir-lhe que mantenha endereço atualizado, não só fazendo tábula rasa da decisão que o liberou com condições, como também obrigando o Estado a procurar o beneficiado com a soltura pelo mundo afora.

Ou seja, a decisão judicial de liberdade “sob condições” é um verdadeiro faz-de-conta, pois as condições não são cumpridas nem são exigidas dos liberados sob pretextos de práticas que caberia à própria Justiça viabilizar - mas não o faz. Simples: seria fácil fazer chegar ao liberado as condições para sua liberdade ANTES de ele ser solto.

A propósito, a LOMAN é clara acerca do dever de zelar pelo cumprimento das decisões.

Leia na base de dados do Espaço Vital: “A quem interessa a liberação do tráfico de drogas?”.

 

 

 

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Turismo em Foco.

Arremeteu! E agora?

 

Arremeteu! E agora?

“Por que o piloto arremete ou deixa de pousar no aeroporto programado? Não há nada para se preocupar! Trata-se de manobra corriqueira, treinada exaustivamente desde o ingresso nas escolas de aviação”. Artigo de Roberto Zwerdling, piloto de linha aérea e diretor do Canal ASA – Aviation, Space & ATC, no YouTube.

Arte EV

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

 

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

“A hipótese mirabolante de um advogado preso cautelarmente por seus escritos profissionais. Se ele é tratado como criminoso por atuar na defesa de um cliente, estamos diante de um ponto de inflexão que fatalmente conduzirá ao fim da advocacia e, por consequência, ao fim do atual Estado Democrático de Direito”. Artigo do advogado Rodrigo Filgueira Queiroz, advogado (OAB/SP nº 195.604 e OAB/GO nº 22.631)

Noivas cadáveres

Estudos mostram que a violência contra a mulher cresceu durante a pandemia. No Brasil, entre março e junho de 2020, houve um aumento de 16% no número de feminicídios, em comparação a igual período de 2019. Ao longo deste 2021, muitas outras mulheres serão vítimas de feminicídio”. Artigo de Wagner Cinelli, desembargador do TJ-RJ.