Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 2).

Juíza federal e advogada analisam o papel do Judiciário na proteção das gerações futuras



Arte EV

Imagem da Matéria

Qual o papel do Poder Judiciário na proteção ambiental e na criação do direito intergeracional? Partindo desse questionamento, a juíza federal Luciana Bauer (da 17ª Vara Federal de Curitiba e a advogada Ana Luísa Sevegnani (OAB-SC nº 55.480) escrevem o artigo “Litigância ambiental: uma ética ambiental para o novo milênio”, publicado ontem (8), na seção Direito Hoje, do portal do TRF da 4ª Região.

Para as duas articulistas, os juízes podem analisar o suporte teórico oferecido por ponderações da filosofia, da sociologia e de acordos internacionais nos processos relativos ao tema que vêm sendo propostos, provocando a discussão social dos efeitos das mudanças ambientais, especialmente no tocante à ação das pessoas e dos governos em contribuição com o meio ambiente.

“Em diversos países do mundo, ações judiciais foram intentadas com o objetivo de obstaculizar os avanços do aquecimento global, obtendo alguns resultados benéficos”, afirmam, exemplificando com nove processos ajuizados contra governos, sendo um deles o caso People’s Climate Case, contra a União Europeia.

Na referida ação ajuizada perante o Tribunal Geral da União Europeia, dez famílias de Portugal, Alemanha, França, Itália, Romênia, Quênia e Fiji, e a Associação da Juventude Saami Sáminuorra, da Suécia, alegaram risco de não conseguirem o próprio sustento no futuro devido às alterações climáticas. Os autores aduzem que a atual meta do bloco europeu (reduzir emissões domésticas de gases de efeito estufa em 40% até 2030) é insuficiente e requerem uma restrição mais rigorosa.

 

Direito Intergeracional

 

Em 2009, o teórico alemão Peter Häberle abordou em artigo a necessidade de proteção do direito das gerações futuras, o que chamou de Direito Intergeracional. Para ele, as constituições deveriam buscar um equilíbrio entre a liberdade da atual geração e as obrigações referentes aos interesses das futuras gerações.

O tema começou a ser pensado no mundo após o acidente nuclear de Chernobyl e o problema do lixo nuclear.

A juíza Luciana e a advogada Ana Luísa acreditam que os litígios referentes ao meio ambiente são uma forma de pensar e criar esse novo ramo do direito e chamam a atenção para o pouco desenvolvimento da questão no país.

“No Brasil, identificamos poucas ações consideradas ações de mudanças climáticas nos termos em que a ONU assim as reconhece. A litigância ambiental pela salvaguarda da vida, do meio de sustento e da saúde e a litigância feita em nome de gerações futuras ainda são uma novidade aqui”, apontam.

A íntegra do artigo pode ser lida no portal do TRF-4. Clique aqui.

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Turismo em Foco.

Arremeteu! E agora?

 

Arremeteu! E agora?

“Por que o piloto arremete ou deixa de pousar no aeroporto programado? Não há nada para se preocupar! Trata-se de manobra corriqueira, treinada exaustivamente desde o ingresso nas escolas de aviação”. Artigo de Roberto Zwerdling, piloto de linha aérea e diretor do Canal ASA – Aviation, Space & ATC, no YouTube.

Arte EV

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

 

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

“A hipótese mirabolante de um advogado preso cautelarmente por seus escritos profissionais. Se ele é tratado como criminoso por atuar na defesa de um cliente, estamos diante de um ponto de inflexão que fatalmente conduzirá ao fim da advocacia e, por consequência, ao fim do atual Estado Democrático de Direito”. Artigo do advogado Rodrigo Filgueira Queiroz, advogado (OAB/SP nº 195.604 e OAB/GO nº 22.631)

Charge Correio Braziliense

Pantomima da impunidade

 

Pantomima da impunidade

“Se um magistrado deseja fazer as vezes de promotor de justiça, alijando-o do processo na etapa do flagrante e se substituindo a ele, prestou o concurso errado”. Artigo de Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre.

Noivas cadáveres

Estudos mostram que a violência contra a mulher cresceu durante a pandemia. No Brasil, entre março e junho de 2020, houve um aumento de 16% no número de feminicídios, em comparação a igual período de 2019. Ao longo deste 2021, muitas outras mulheres serão vítimas de feminicídio”. Artigo de Wagner Cinelli, desembargador do TJ-RJ.