Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre,sexta-feira, 5 de março de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 9).
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Quarta-feira de cinzas...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Penúltima semana de dezembro - anos antes da pandemia - era uma audiência inicial para tratar de um acidente de trânsito: presentes a autora, o réu e a seguradora denunciada da lide. Sem acordo na tentativa de conciliação, o Doutor Pinheirinho – juiz pouco afeito a gentilezas e que exigia ser chamado de “meritíssimo juiz” – designou audiência de instrução e julgamento para as 8h45 de quarta-feira, dia 22 de fevereiro.

Mas será Quarta-Feira de Cinzas – disseram, em uníssono, os três advogados.

A data não é feriado, estarei aqui e antecipo que indeferirei pedidos de adiamento.

Os advogados ficaram de cara amarrada e, já na saída, articularam a reação. Assim ajustaram que, na tal quarta-feira, nenhum deles, nem seus clientes compareceriam. A ausência de todos seria protegida por uma manifestação conjunta a ser estrategicamente protocolada cinco minutos antes do encerramento expediente da sexta-feira precedente ao Carnaval: “As partes vêm dizer que convencionaram a suspensão do feito por cinco dias, para tratativas de acordo, após o que voltarão a peticionar”.

Na tal Quarta-Feira de Cinzas, o Doutor Pinheirinho enfureceu na sua chegada à vara, ao ser informado da petição conjunta. Mas como ele estava diante de uma previsão legal, despachou um sintético “Junte-se e volte”. E descontou seu mau humor em cima da escrevente que, fartamente maquiada, mas com cara de ressaca, chegara de um baile momesco, com paramentos festivos e decote generoso.

- Dê-se ao respeito e cubra-se! – advertiu o Doutor Pinheirinho.

Ela saiu e sem demora retornou, envergando uma amarela capa de chuva, não sem antes, disfarçadamente, deixar cair da bolsa, sobre a mesa de audiências, confetes e serpentinas que trouxera da liberal noitada burlesca.

O Doutor Pinheirinho mandou que chamassem a faxineira e avisou secamente, antes de bater em retirada.

- Eu volto amanhã!

E ainda naquela semana, o “meritíssimo” teve em mãos nova petição das partes, informando que não houvera acordo e que, assim, seria necessária a designação de audiência.

Lição de vida aprendida, o magistrado marcou a solenidade para um mês depois: era uma quarta-feira comum, dia útil... mas convenientemente às 10h da manhã.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

  O choque de culturas

 

O choque de culturas

Em irreconciliável divórcio litigioso, a antiga tradição familiar japonesa como a causa do fracasso do casamento. E a diferença etária de 16 anos entre marido e mulher.

Charge de Kauer

Os caros prazeres nova-iorquinos

 

Os caros prazeres nova-iorquinos

O que deu certo e o que deu errado durante e após rápidas férias de um recém unido casal porto-alegrense que escapou do inverno gaúcho para desfrutar dos encantos da grande cidade imortalizada pela inconfundível voz de Frank Sinatra.

Uma república só de juízes

 

Uma república só de juízes

Depois de um almoço pago pelas associações de classe de cada comensal, saem do restaurante um magistrado, um membro do MP, um defensor público, um delegado federal, um conselheiro de tribunal de contas, um procurador federal e ... um advogado. De repente, exsurge um gênio, que concede um desejo para cada um.

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.