Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terã-feira, 20 de abril de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 23).

A resposta do ex-juiz ao novo revés jurídico sofrido



Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

Imagem da Matéria

O ex-juiz federal - e governador afastado do Rio de Janeiro - Wilson Witzel (PSC) respondeu com uma carta o novo revés que sofreu, semana passada, no STJ que o transformou em réu, e o manteve por mais um ano afastado do cargo.

O texto foi chamado pelo próprio Witzel como “carta ao povo fluminense” e publicado em sua conta no Instagram.

Witzel - que hoje (19) completa 53 de idade - disse que acordou com “o coração partido, porém em paz” e que se pega de mãos atadas no momento em que o Rio de Janeiro mais precisa dele. Ele também afirmou entender o zelo da Justiça na apuração dos fatos, mas frisou que afastar um governador prejudica toda a população.

Leia a íntegra da carta

“Acordei hoje com o coração partido, porém em paz!

Coração partido ao ver que, no momento em que o Rio de Janeiro mais precisa de mim - pois um dia jurei que, se fosse preciso, eu daria a própria vida para o bem da população, que vem sendo castigada há anos -, me pego de mãos atadas.

Entendo todo o zelo da Justiça na apuração dos fatos. No entanto, ao afastar um governante - que passou sua vida lutando pela justiça ao exercer o cargo de juiz, abrindo mão das regalias e da segurança do próprio cargo e se colocando como servidor público, sabendo que poderia fazer muito por um Estado - não se prejudica apenas uma pessoa; o prejuízo, irreversível, estende-se a toda uma população já tão sofrida.

Entretanto, o meu coração está em paz, pois, como bem disse o ministro Benedito Gonçalves, ao receber a denúncia contra mim, “Ser réu não significa nada”. Principalmente no meu caso, que tenho as mãos limpas e a consciência tranquila de que, ao término desse processo, ficará comprovada a minha inocência.

Então, restam as perguntas: quem serão os únicos prejudicados pelo tempo perdido por esse afastamento? Como e quando serão reparadas as vidas perdidas, os empreendimentos fechados e as oportunidades abandonadas, por estarmos de mãos atadas?

Meu Rio de Janeiro: sei que vamos nos encontrar, sei que terei a oportunidade de demonstrar todo o meu amor por ti. Porém, hoje, a única forma que tenho de fazer isso é não desistindo de ti e do teu povo. Luto agora não pela vaidade e ou ambição por um cargo, e sim pela chance de transformar vidas em um Estado tão abençoado.

Entendo o que o nosso irmão Paulo disse em uma de suas epístolas: ”Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos”. (2 Coríntios 4:8,9).

Meu Rio de Janeiro: “Verás que um filho teu não foge à luta!”

Wilson José Witzel”.

Leia na base de dados do Espaço Vital

 Witzel se aproveitou do cargo para receber vantagens indevidas de R$ 53,3 milhões. Quando era juiz federal, praticava e ensinava “engenharia de penduricalhos” que rendia R$ 4 mil mensais. Veja o vídeo.

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagem Piauí Notícias

Justiça “legal” na própria família...

 

Justiça “legal” na própria família...

Magistrado Noé Pacheco de Carvalho (foto) manda soltar o próprio filho, preso por dirigir embriagado. O acusado fora flagrado após provocar acidente e fugir sem prestar socorro. A liberdade foi concedida sem a prestação de fiança, “uma vez que ele não dispõe de renda própria”.