Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 26 de fevereiro de 2021.
(Próxima edição: segunda-feira, 1).

Advogadas e advogados gaúchos, garantam sua vacina contra a gripe H1N1!



Camera Press

Imagem da Matéria

Dr. Pedro Zanette Alfonsin

Por Pedro Zanette Alfonsin, presidente da CAA/RS e da Concad.

Além de ser o cerne de nosso trabalho na Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Sul (CAA/RS), cuidar da saúde da advocacia tornou-se, com a pandemia, nossa obrigação. Por este motivo, temos focado cada vez mais nossos esforços em oferecer suporte à classe e aos seus dependentes.

A última ação foi prorrogar até 28 de fevereiro o prazo para que um maior número de colegas manifeste interesse em adquirir a vacina H1N1 na CAA/RS. Todos os anos, a Caixa compra, de laboratórios, uma grande quantidade de doses e as oferece ao menor custo do mercado para a advocacia. Como não há consignação, precisamos ter uma ideia mais concreta de quantas doses devem ser negociadas. Assim, fazemos o pedido corretamente, e evitamos desperdício.

E é aí que a ajuda de todos é imprescindível. Basta responder as informações solicitadas em sistema.caars.org.br/reservas para garantir prioridade quando a campanha de vacinação for de fato iniciada. Ou seja, quem preencher o cadastro (que, pela primeira vez, é on-line para todo o RS) será avisado antes sobre o agendamento, e poderá escolher e marcar o horário que preferir com mais facilidade.

Para se ter uma ideia da relevância desta campanha, no ano passado iniciamos a vacinação em março, antes mesmo das secretarias de Saúde. Com grande esforço logístico, tanto da CAA/RS quanto das subseções, conseguimos levar as vacinas a todos os cantos do RS. Além disso, optamos por fornecer a dose gratuitamente aos (às) colegas adimplentes com a OAB/RS. Para cada dependente foi cobrado apenas R$ 60. No total, imunizamos mais de 18,5 mil pessoas até o final de maio, entre advogados (as), estagiários (as) e familiares.

O valor a ser pago este ano deverá girar em torno dos mesmos R$ 60. Advogados (as) e estagiários (as) regularmente inscritos nos quadros da OAB/RS podem fazer os pedidos para si e também para seus dependentes, desde que em dia com suas obrigações financeiras com a Ordem. Vale lembrar que as vacinas são contraindicadas a pessoas com antecedentes de reação grave em dose anterior, e alérgicos a ovo. Crianças serão imunizadas somente a partir dos três anos, desde que já tenham sido vacinadas anteriormente.

Nossa ideia é iniciar a ação ainda em março, e as vacinas tetravalentes serão oriundas do Laboratório Abbott.

Para finalizar, vale relembrar que esta companha é focada na imunização contra a gripe H1N1 - e não à Sars-Cov-2 (Covid-19).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Turismo em Foco.

Arremeteu! E agora?

 

Arremeteu! E agora?

“Por que o piloto arremete ou deixa de pousar no aeroporto programado? Não há nada para se preocupar! Trata-se de manobra corriqueira, treinada exaustivamente desde o ingresso nas escolas de aviação”. Artigo de Roberto Zwerdling, piloto de linha aérea e diretor do Canal ASA – Aviation, Space & ATC, no YouTube.

Arte EV

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

 

Corregedorias incorrigíveis, ou ... a busca por justiça

“A hipótese mirabolante de um advogado preso cautelarmente por seus escritos profissionais. Se ele é tratado como criminoso por atuar na defesa de um cliente, estamos diante de um ponto de inflexão que fatalmente conduzirá ao fim da advocacia e, por consequência, ao fim do atual Estado Democrático de Direito”. Artigo do advogado Rodrigo Filgueira Queiroz, advogado (OAB/SP nº 195.604 e OAB/GO nº 22.631)

Charge Correio Braziliense

Pantomima da impunidade

 

Pantomima da impunidade

“Se um magistrado deseja fazer as vezes de promotor de justiça, alijando-o do processo na etapa do flagrante e se substituindo a ele, prestou o concurso errado”. Artigo de Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre.

Noivas cadáveres

Estudos mostram que a violência contra a mulher cresceu durante a pandemia. No Brasil, entre março e junho de 2020, houve um aumento de 16% no número de feminicídios, em comparação a igual período de 2019. Ao longo deste 2021, muitas outras mulheres serão vítimas de feminicídio”. Artigo de Wagner Cinelli, desembargador do TJ-RJ.