Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre,sexta-feira, 5 de março de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 9).
https://espacovital.com.br/images/leitores.jpg

Sobre “Uma receita de miojo picante que não comoveu Alexandre de Moraes”, etc.



nissin.com.br

Imagem da Matéria

Sobre “Roberto Jefferson pagará indenização de R$ 50 mil a Alexandre de Moraes”

  • “ Cada um emite a sua própria opinião; cabe ao Judiciário se manifestar quando se verifica que o informado pode ter algum fundamento, - já que Alexandre foi um dos proprietários do escritório, mas se afastando não deixou de ter contato, pois é companheiro da proprietária, continuam dormindo juntos. Será que não comentam nada sobre os processos? Lembrei da expressão "Me engana que eu gosto", aí está explicito que cabe uma investigação apurada. Não cabe corporativismo, cabe apurar e tomar as providências legais”.

(ass.) Juarez Onofre Venning, advogado.

Sobre “Uma receita de miojo picante que não comoveu Alexandre de Moraes”

  • “Desde quando ministros leem petições? Ainda mais se for de um simples mortal. Nem os ministros e nem assessores leem. Eles juntam decisões padrões que podem ser coladas em qualquer processo, basta copiar, acima, o nome das partes e o número do processo, que o sistema faz sozinho. Isso seguramente NÃO é justiça!”

(ass.) Eliel Karkles, advogado.

 

Sobre “Pai Tadeu, que torna os juízes bonzinhos”...

  • “O caso de “Pai Tadeu” me lembrou de um caso no Judiciário Gaúcho, quando as varas cíveis e de família ficavam ali na Siqueira Campos. Um advogado constitucionalista - na minha avaliação um grande na sua especialidade - escreveu a frase "Eu sou um juiz “ca...hão" e exigiu que o juiz assinasse embaixo e apusesse seu carimbo. Isso, com um tresoitão na cabeça do magistrado. Com a assinatura, o advogado xerocou e distribuiu na escadaria do prédio. Foi o escândalo do ano! (Preencha os três pontinhos!!!...)”

(ass.) Jurema Josefa, jornalista.

Sobre “A banalização de posturas injuriosas afeta a credibilidade da justiça”

  •  “Acrescento que isso é causado pela magistratura em 99% dos casos. Um juiz técnico, sério, que se pauta pela lei, que olha muito bem o que assina, resolve tudo isso. Mas, ... entrega-se o processo para o estagiário sentenciar, de qualquer jeito, despachar do modo que acha, e a assinatura do magistrado vai em qualquer lugar. As injúrias são mais do que compreensíveis. A advocacia brasileira está cansada da baixa qualidade de certos despachos e decisões”.

(ass). Eliel Karkles, advogado.

  • “Acho muito engraçada esta perplexidade ao ver um advogado, provavelmente cansado, perder a educação. E nas audiências, não filmadas ou gravadas, em que somos quase que diariamente ofendidos por magistrados e pelo Ministério Público? E em alguns cartórios onde servidores e até estagiários são grosseiros nos atendimentos? Onde está nossa amada, idolatrada e feroz cobradora de anualidades, a OAB?

 (ass.) Simone Maria Serafini, advogada.

Sobre “É falsa a notícia de que Arthur Lira destravou a votação da PEC da prisão em segunda instância”

  •  “Fico me perguntando se essa PEC não colide com o inc. IV do § 4º do art. 60 da Carta Cidadã. Afinal, é a liberdade individual que está em jogo. E modificar a natureza do procedimento (de recurso para ação revisional) é competência do Congresso? Tal posicionamento não afetaria o devido processo legal? Creio que são questões a discutir”

(ass.) César Augusto Hülsendeger, auditor público externo, jubilado.

Sobre “Quarta-feira de cinzas...”

  •  “Já tive um caso assim. Em 2009, audiência de prosseguimento em reclamatória trabalhista. Juíza - que foi minha colega em curso de pós graduação - marcou para as 9 horas de uma quarta-feira de cinzas. Chegou à sala de audiências às 11h, e a reclamante nem compareceu. A juíza não perdoou o esquecimento - ou seria atraso?... - da reclamante, muito embora a decisão tenha me favorecido. Mas não pediu nem desculpas pelo atraso”...

(ass.) Gustavo Davila, advogado.

Sobre “Escreva Direito: Os excessos da discriminação”

  • “Muito boa a análise feita por Paulo Flávio Ledur. Precisamos nos libertar do jugo e da escravidão do politicamente correto propugnado pelo Judiciário. Já não basta a autoritária centralização decisória, onde os advogados são impedidos de adjetivar as características do caso, sob a reprimenda de ´estarem a julgar´ o processo. Devemos, para não sofrer a contrariedade dos magnânimos, ser mornos e tangenciadores contadores de causos. Isso abrevia e menosqualifica a advocacia combativa”

(ass.) Paulo Ortega, advogado.

Sobre “Extinção da Justiça Militar”

  • “É injustificável a manutenção da desnecessária e onerosa Justiça Militar/RS, lamentavelmente ainda não extinta. É insignificante quantidade de menos de 100 processos/ano por juiz. Menos, ainda, por desembargador do TJM-RS. Esses casos devem ser julgados pela Justiça comum. Chega de privilégios e de desperdício do já escasso dinheiro público”

(ass.) Audi Marli Antunes, advogado.

Sobre “Jus Vermelha: E agora, José?”

  • Excelente texto, do Dr. Roberto Siegmann! Acredito que a direção do Inter já tenha consciência de que se o título se confirmar, o pré-contrato com o técnico espanhol terá que ser rescindido. Os valores pagos ao campeão do Brasileirão serão mais do que suficientes para pagar a multa rescisória do Miguel. Em tempo: o Inter deveria seguir o exemplo do coirmão e manter o Abelão por muitos anos no Beira-Rio, o que certamente renderia muitos títulos e consequentemente dinheiro aos cofres colorados”.

(ass.) Mauricio Antonacci Krieger, advogado e professor da UNISC.

 

Sobre “Jus Azul: E a cigarra azul cantou e empatou pela 16ª vez!”

  • “Caro Lenio, se você afirma que o Grêmio foi garfado pela arbitragem, item 3 do comentário, imagina o que dizem os torcedores do Bahia após o jogo entre os 2 times em Porto Alegre em 6 de janeiro último”.

(ass.) Alexandre Andrade, advogado.         

  • “De acordo com o nobre articulista, agora é válido jogar com as mãos dentro da área... Quando mudou a regra... que eu não fiquei sabendo...?”

(ass.) Alex Jung, advogado.

Sobre “Supremo mantém prisão preventiva de três advogadas”

  • “Dois pesos, duas medidas. André do Rap, periculoso e poderoso bandido, teve outro tratamento. Qual a diferença entre os dois casos? Será, porque o último - que ainda se encontra foragido - tinha ou ainda tem muito dinheiro?”

(ass.) Ciro Castilho Machado, advogado


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem: Google - Edição EV

A pomba que “acertou” cabeça e paletó da autoridade...

 

A pomba que “acertou” cabeça e paletó da autoridade...

  • Jornalista Jurema Josefa revela curioso incidente ambiental, quando desembargador foi visitar a Cia. Jornalística Caldas Júnior.
  • Os cuidados com o “home office”.
  • A coragem da advogada Bernadete Kurtz, ao verberar que o TRT-RS está “brincando com a advocacia”.
  • A absurda aposentadoria de R$ 17 mil para um ex-funcionário do CF-OAB.
  • Elogios ao artigo “A incidência da proteção do CDC sobre as seguradoras”.
  • Participação dos leitores César Augusto Hülsendeger, Maria Elisa Dexheimer Pereira da Silva, Karlla Patricia, Silvia Lopes Burmeister, Virginia Barbagli, Caroline Mandracio Pereira e Franklin J. M. Cunha.

Edição de Gerson Kauer sobre foto GFPA (Divulgação).

Conclusão de que 2020 será mais um ano perdido para o Grêmio

 

Conclusão de que 2020 será mais um ano perdido para o Grêmio

  • “Eu esperava que a direção do Grêmio, com a saída do Duda Kroeff, enquadrasse o Renato nos seus rompantes de peladeiro”.
  • Os “bondes” que Bolzan e Renato trouxeram para o Grêmio: André Balada, Felipe Vizeu, Diego Tardelli, Thiago Neves e outros.
  • “Os novos penduricalhos para a magistratura significam total falta de vergonha na cara”.
  • “Conheci uma juíza que exigia, aos berros, que as partes fizessem acordo”.
  • “A coluna de Paulo Flávio Ledur é ótima fonte de aprendizado”.
  • Participação dos leitores Luís Guedes Condessa, Amilcar Martini Zabaletti, Rodger Gonçalves de Almeida, Oswaldo Vianna Ferreira, Paulo Américo de Andrade e Minervino Wanderley Neto.

Arte EV

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 

Solidariedade à advogada afrontada e críticas à trapalhada policial

 “No Rio Grande, as pessoas praticam crimes de racismo com a certeza da impunidade”.

 Críticas e elogios à digitalização dos processos físicos como encargo para a advocacia.

 Processo eletrônico: “Impressiona a falta de consistência técnica do TJRS, onde tudo é confuso”.

 Congratulações para Rafael Berthold e Roberto Siegmann, colunistas do Espaço Vital.

 Participação dos leitores Antonio Pani Beiriz, Rejane Griesang Schenkel, Graziela Terezinha Finger, José Flavio Breno Fischer, Luciano Maria Gonçalves Fava, Jorge Luiz Aguiar Dias, Carlos Alberto Andrade, Teresinha Grando Cavalcanti, Katiane Romanini, Luiz Carlos Chuvas e Leonardo Joel Handler.

Imagem Screenshot meramente ilustrativa - Arte EV

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 

A inércia de servidores durante o fechamento forense

 Um modo simples para garantir o andamento dos processos: colocar funcionários do TJRS para digitalizar autos físicos.

• Processos aguardando juntada de petições desde 20 de fevereiro (antes da pandemia).

 Elogios ao magistrado aposentado Osvaldo Peruffo e ao ex-escrivão Sérgio Araújo.

 Carga programada para a digitalização: “Os advogados vão fazer o trabalho do Judiciário, em troca de uma ilusória celeridade”.

 Participação dos leitores Henrique Júdice Magalhães, Simone Maria Serafini, Alberto Karoly, Leonardo Handler, Cicero Barcellos Ahrends, Maico Volkmer, Clovis Borba dos Santos, Marcelo Battirola, Francisco Antonio Fresina Neto, Paulo Américo de Andrade, Victor Marona, Rogers Trott, Carlos Alberto Dossena, Cleuson De Pariz Zippinotte e Virginia Keller.