Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terã-feira, 20 de abril de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 23).

A indiferença do Judiciário gaúcho com a sociedade e com os advogados



Charge de Camila Adamoli - Caricaturas de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Dr. Cicero

Por Cicero Barcellos Ahrends, advogado (OAB-RS nº 19.581)

cicero@ahrendseahrends.com.br )

 

Foi com grande tristeza que li o bem redigido texto (“O super vírus que atacou o Judiciário gaúcho”) da colega Simone Maria Serafini, na edição de sexta-feira (26.2) do Espaço Vital. A indiferença do Poder Judiciário Gaúcho - com a sociedade e com os advogados - jamais foi vista. Ponteando a lista dos mais altos salários do Estado, tem como foco agregar penduricalhos aos seus ganhos e manutenção de privilégios, como seu vasto período de férias.

A Justiça deveria estar elencada no rol dos serviços essenciais, ainda que se enalteça o Sistema Diferenciado de Atendimento de Urgência que, todavia, é medida restrita e diminuta à vista dos efeitos impiedosos e avassaladores que representa a suspensão de prazos processuais físicos e eletrônicos à sociedade.

Empresas suplicam a expedição de alvarás que podem ser um divisor de águas entre sobreviver ou fechar as portas de suas operações. O mesmo se diga dos advogados que complementam seus ganhos, não garantidos mensalmente, com os honorários sucumbenciais.

A decisão precipitada e inábil de suspensão dos processos eletrônicos que, por óbvio, respeitam o requisito - distanciamento - obstrui a atividade dos operadores do direito que dependem do funcionamento do Judiciário, como um todo, e pode dar curso aos processos de forma remota ou home office.

A medida latu sensu adotada traduz a ostensiva mentalidade voltada a contemplar o umbigo. Faça-se a ressalva que toda a regra tem sua exceção.

Ao que conste, até o presente momento, sequer houve resposta ao pedido de reconsideração encaminhado pela insubmissa OAB/RS. Lamentável!

 

Leia na base de dados do Espaço Vital

O super vírus que atacou o Judiciário gaúcho - Artigo da advogada Simone Maria Serafini

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Caso Henry: o rosto da barbárie

“Num país em que o valor da vida cede aos caprichos da pulsão de morte, não deixa de ser igualmente emblemático o fato de o acusado ser vereador, um representante do povo”. Artigo da psicanalista Betty Bernardo Fuks.

Imagem Visual Hunt

Sua (in) fidelidade pode custar caro!

 

Sua (in) fidelidade pode custar caro!

O planejamento matrimonial. “A possibilidade de as partes convencionarem, no pacto antenupcial, uma cláusula estabelecendo indenização pelo descumprimento do dever de fidelidade. Isso se chama pacta sunt servandasignifica que o contrato faz lei entre as partes”. Artigo da advogada Marina Borges Augusto.