Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O TRT-4 tem rosas. Mas não tem Rosa



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Abril do ano passado, saites especializados em noticiário jurídico publicaram que “a ministra do STF, Rosa Weber, é ré numa ação na Justiça do Trabalho da 4ª Região (RS), sendo também reclamado o irmão da magistrada”. A demanda seria movida por uma ex-cuidadora da mãe da ministra). A reclamante estaria pedindo o reconhecimento de vínculo de emprego e o pagamento de parcelas rescisórias.

Precipitada, a “rádio-corredor” advocatícia acrescentou que a petição inicial alegava “trabalho em condições degradantes”. E que o valor buscado ultrapassaria R$ 1,3 milhão de reais. Nada mais foi confirmado, porque o suposto processo teria logo sido colocado sob sigilo.

Em janeiro – durante as férias forenses – o Espaço Vital fez uma pesquisa com 250 leitores escolhidos aleatoriamente. Dos 206 (82%) que se manifestaram, 139 (55%) responderam afirmativamente que desejariam ler, numa das nossas próximas edições, “a confirmação da existência, ou não, uma ação trabalhista em que é parte a cidadã brasileira Rosa Maria Candiota Weber - e, acaso existindo, por que a tramitação é sigilosa?”

O Espaço Vital acionou a Secretaria de Comunicação Social do TRT-4, pedindo que “após ouvidos os desembargadores presidente e/ou vice (Carmen Izabel Centena Gonzalez e Francisco Rossal de Araújo - respectivamente) - fosse respondida a seguinte demanda jornalística: ´A ação existe, ou não existe?´”. Solicitou-se, também que - dependendo da eventual resposta afirmativa - complementarmente fossem informados detalhes da pretensa ação.

Sem demora veio a resposta oficial do TRT-RS: “Seguindo diretriz da Comissão de Comunicação Social e Relações Institucionais, fornecemos o número apenas de processos relacionados às notícias de decisões judiciais divulgadas no nosso saite. Também prestamos informações à imprensa a respeito de processos em tramitação, mediante a indicação, pelo veículo interessado, do número da reclamatória. Como o pedido do Espaço Vital não se enquadra nos casos mencionados, não poderemos atendê-lo”.

A conjunção fez lembrar do governo Geisel (1974/1979), especialmente do ministro da Justiça, Armando Falcão. Sua gestão, nos anos de chumbo, ficou marcada com a carimbada frase "Nada a Declarar". As três frias palavras caracterizavam a relação do Poder com a imprensa, com recusas a comentar assuntos considerados “confidenciais” ou “polêmicos”.

Mesmo o TRT-4 não tendo nenhum Armando, nem qualquer Falcão na sua administração, forçosamente prevalece a impressão de que a ação trabalhista não existe. E que a especulação jornalística não passou de uma cíclica “fake new”, que volta e meia ressurge.

Sem desdouro de idêntica referência elogiosa ao gênero masculino, a Justiça do Trabalho gaúcha está cheia de rosas, simbolizadas, na charge de Gerson Kauer, pelas operosas magistradas e servidoras que ali trabalham. A Justiça do Trabalho rio-grandense só não tem uma Rosa como reclamada.

Nem Armando Falcão faria melhor... Enfim, coisas do Poder. Em 1974/1979 foi assim. E em 2021 também é.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

A cola que reprovou o estudante

 

A cola que reprovou o estudante

O estudante de Educação Física era destacado nas aulas práticas, mas sem brilho nas provas teóricas. Certo dia, foi pilhado “colando”: levara em minúsculas tirinhas, alguns resumos que sorrateiramente poderiam ajudá-lo a responder as questões.

Charge de Gerson Kauer

Prestação jurisdicional célere?

 

Prestação jurisdicional célere?

Num evento do meio empresarial estão presentes alguns conselheiros da OAB. Representa a corte estadual um desembargador afável e que tem por hábito receber os advogados. Há uma conversa informal e franca:  “Atualmente, não há mais jurisdição artesanal – ela é talvez 99 por cento industrial”...

Charge de Gerson Kauer

O juiz ladrão...

 

O juiz ladrão...

Era uma tarde quente, numa segunda-feira. No fórum local: pilhas de processos; estagiário e assessor em pleno trabalho; advogados esperando alvarás. De forma solene, realizava-se uma audiência. Ao fundo, escutava-se, em aproximação - o som de um pistom, alguns tambores e gritos: “Não tem conversa não; o juiz é um ladrão”.

Charge de Gerson Kauer

O canal preferido

 

O canal preferido

Na audiência de tentativa de conciliação num divórcio litigioso, a causa da ruptura conjugal: flechadas recíprocas em relação às preferências do casal. O futebol na Fox Sports, ou as “saliências” do Sexy Hot.

Charge de Gerson Kauer

Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência

 

Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência

A comarca é a de Ilha da Vera Cruz. Ali tramita desde 2014 um divórcio litigioso sobre o adultério unilateral praticado por Gilda, a cônjuge feminina. Ela foi flagrada, em cores, como habitual parceira espúria de um jovem solteiro. Sete anos depois, Cornelius - o cônjuge enganado - recebe uma ligação de seu advogado: "O juiz Doutor Justus julgou a ação..."