Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, terça-feira, 07.12.
(Próxima edição: sexta-feira, 10.12)
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Decisões judiciais não são para se gostar, ou não...



Imagem Camera Press

Imagem da Matéria

Salomão foi o terceiro rei de Israel, governando durante 40 anos (966 a 926 a.C.). Nasceu e morreu em Jerusalém (990 a.C. > 921 a.C.)

PONTO UM:

Nos últimos dias, ondas de indignação e também de apoio circularam pelo Estado por conta de uma decisão judicial oriunda de uma ação civil pública envolvendo a gestão da pandemia em uma das Varas da Fazenda Pública de Porto Alegre. Decisão judicial, queiram ou não, não é para se gostar ou não gostar. Decisão judicial ou é acolhida pelas partes no processo ou submetida a recurso com vistas à sua reforma junto às instâncias recursais.

O grande público – que do processo não participa, mas que até pode sofrer reflexos desta decisão – pode democraticamente se manifestar opinião sobre ela. Mas é tão somente opinião - e não tem qualquer poder de interferência sobre a decisão. Simples assim. O sistema judicial, reduzido a essa essência – decidir um conflito –, funciona desta forma há mais de dois milênios e em todos os cantos do mundo: um perde, outro ganha.

Não há milagres. Decisão judicial não há que se qualificar por ser certa ou errada: entre as teses antagônicas discutidas no processo, cumpre ao julgador acolher uma e rejeitar outra, desde que de forma fundamentada. Sempre foi assim e continuará sendo, ainda que em tempos de judicialização da política – o que não foi provocado pelo Poder Judiciário – certas decisões ganham repercussões imensuráveis, mas faz parte do jogo.

PONTO DOIS:

Escrevendo esta coluna, lembrei-me da conhecida passagem bíblica em que Salomão – como juiz supremo – decide cortar ao meio a criança sobrevivente e disputada pelas duas mães, para que cada uma recebesse a metade, pondo fim ao conflito.

Esta passagem não reproduz um sistema judicial, que certamente não sobreviria com soluções tais. Transmite muito mais uma lição de amor: a verdadeira mãe é aquela que abre mão do filho para que o mesmo não seja sacrificado em razão de uma contenda.

Nem o DNA seria tão eficiente.  Porém, não é dado ao juiz, no sistema judicial, partir ao meio o bem da vida postulado (abre o comércio na segunda, e fecha na terça). Em sede de decisão há que partir-se, violar-se, valendo-se da Constituição, da lei, dos princípios.

Não é diferente quando o grau recursal é chamado a intervir: também os órgãos superiores seguirão o mesmo caminho, optando por uma das duas versões apresentadas. Agora, o que é inadmissível, antissocial, antidemocrático é voltar-se contra a pessoa, nome, honra, família do julgador porque decidiu desta ou daquela forma: este comportamento tribal não condiz com uma sociedade civilizada.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Google Imagens

A gravação clandestina como meio de prova e o eleitor

 

A gravação clandestina como meio de prova e o eleitor

“A discussão também está em curso no STF, em sede de recurso extraordinário, reconhecida sua repercussão geral. Envolve a necessidade de autorização judicial para gravação privada como meio apto de prova a instruir ação de impugnação de mandato eletivo”.

Imagem Question Pro

Eleições na OAB: movimento para a democracia representativa, digital e inclusiva

 

Eleições na OAB: movimento para a democracia representativa, digital e inclusiva

“Além das novidades do voto on line, também merecem destaque as alterações que vêm ao encontro de uma representatividade mais fiel às diversidades de nossa sociedade. Uma, diz com a obrigatória paridade de gênero em cada bloco de pleitos. Outra diz com o atendimento da cota mínima de 30% de advogados negros e de advogadas negras (autodeclarados pretos/as ou pardos/as)”.

Chargista Junião / Google Imagens

Eleições de 2022: meio passo à frente

 

Eleições de 2022: meio passo à frente

Foi aprovada pelo Senado a proposta de contagem distinta para mulheres e pessoas negras candidatas às cadeiras proporcionais, valendo tais votos em dobro para distribuição dos recursos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas. Os votos obtidos por essas reconhecidas minorias no âmbito político eleitoral serão computados em dobro.

https://ensaiosenotas.com/

Amigos x seguidores e a Teoria Dunbar

 

Amigos x seguidores e a Teoria Dunbar

“Segundo o antropólogo britânico Robin Dunbar, - as pessoas encontram limites na quantidade de amigos, estabelecendo um número mágico máximo: 150. Essa limitação tem a ver com o nosso cérebro, mais precisamente o néocortex, que está associado à cognição e à linguagem e encontra limites para guardar informações e realizar conexões”.