Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 3 de agosto de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 6).
https://espacovital.com.br/images/sala_audiencias.jpg

Judas e o demônio no fórum trabalhista



PNG Egg/Arte EV

Imagem da Matéria

Tarde cinzenta em Porto Alegre, sentado na sala de audiências, o juiz segue a pauta. É feito o pregão: Antônio Marques reclamante; e uma igreja evangélica com matriz no Brasil e filiais espalhadas pelo mundo, como reclamada.

A pretensão é de vínculo de emprego, sob a alegação de trabalhar como obreiro, a quem eram destinadas a tarefas secundárias – sendo, após, promovido pastor.

O preposto reconhece que o obreiro organiza filas, porta o microfone sem fio colhendo depoimentos dos crentes nos cultos e, principalmente, recolhe as contribuições financeiras. Elas eram modestas, mas aplicável o dito popular: “É de grão em grão que a galinha enche o papo”.

As tarefas eram determinadas e fiscalizadas pelos pastores da sede, mediante o pagamento de um valor fixo mensal ao trabalhador considerado prestador de serviços autônomo.

O juiz pergunta à primeira testemunha da igreja: “Quem designou o Senhor Antônio como pastor?

O juiz, reconhecidamente ateu, em situações como essa, lembrava do que dizia a sua mãe para as amigas: “Ele é ateu, mas tem um bom coração.”

- Ele foi escolhido pelo espírito santo... - responde a primeira testemunha.

Ante a afirmação o juiz passa a mão no rosto, com os olhos fechados, e dá o tom:

- Minha senhora, eu respeito a sua fé, mas o espírito santo e outras alegorias que fiquem da porta para fora.

A advogada da igreja, uma jovem senhora de uma beleza e elegância admiráveis, baixa os olhos e começa a balbuciar. Perguntada se queria que fosse lavrado um protesto antipreclusivo, responde:

- Estou orando, provocada pelas circunstâncias.

Era possível prever o rumo da decisão.

Em razões finais a advogada abre a sua bolsa Louis Vuitton, daquelas expostas em um pedestal na vitrine na Maison Champs-Elisées em Paris, vendidas por aproximadamente 15 mil euros, retirando uma bíblia finamente encadernada em couro com gravações em dourado.

A primeira longa citação é referente à traição de Judas e, por certo, endereçada ao reclamante. A segunda citação, também longa, é colhida em um livro com a foto na capa do abençoado e riquíssimo dono da organização. Falava do demônio, designado na transcrição como “cão-tinhoso, capiroto, bicho-preto, capeta, peçonhento, canhoto, rabudo”. Etecetera...

Finda a preleção religiosa, o juiz encerra a ata e antes de deixar a mesa pergunta à advogada:

- Deus é bom ou justo?

Ela de imediato afirma que “Deus detém as duas características”.

Segue o juiz:

- Doutora é impossível ser a um só tempo bom e justo. O bom não pratica ou deseja o mal – não castiga, não pune – já o justo julga avalia, castiga, pune ou gratifica.

E logo o magistrado arremata com uma frase instigante:

- A sentença será publicada dentro de duas semanas. E como devo ser justo não haverá empate na decisão...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Chargista Nani – NaniHumor.com

O terrivelmente evangélico

 

O terrivelmente evangélico

“Defendo a fixação de mandato àqueles que compõem o STF e, ainda, uma divisão de carreira de origem: advocacia, magistratura e Ministério Público. A proposta é sujeita a críticas, mas é uma forma de não transformar o Supremo em uma confederação de credos religiosos, de orientações sexuais, de raças, etc.”

Charge de Enio Silva

Bug na rebimboca da parafuseta do TJRS

 

Bug na rebimboca da parafuseta do TJRS

“A Justiça Estadual Gaúcha está parada - de novo - e por conseguinte, ou não há prestação jurisdicional, ou não há efetividade no decidido. E a OAB mantém papel de ´Maria vai com as outras´ - pouco, ou muito pouco, interferiu nos absurdos cometidos em nome da modernização”.

Foto Istock.com/getty images

Perjúrio na CPI

 

Perjúrio na CPI

“Algo que sempre afirmei é que se as testemunhas soubessem da discussão jurídica acerca das consequências de mentir nos depoimentos, mentiriam muito mais do que mentem”.