Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de junho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 22).
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Qual a sua cor preferida?...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na loja conhecida por suas tintas e cores, as funcionárias mulheres (que são minoria) tinham permissão para usar a mesma toalete dos clientes, distante do banheiro masculino dos empregados. Foi naquele ambiente que uma trabalhadora encontrou, escondida, uma micro câmera de última geração, capaz de clarear e colorir ambientes escuros, enxergando-os e gravando-os profundamente.

Ao verificar a memória do aparelho, o dono da empresa descobriu cenas das trabalhadoras na intimidade fisiológica e/ou exibicionismo a sós. E até mesmo, a gravação inicial do momento em que o próprio funcionário, dono da micro câmera, a instalara no local.

A direção da casa demitiu o abelhudo, levou o caso à polícia e o caso foi ao juízo criminal, onde houve transação penal.

Novo desdobramento na Justiça do Trabalho: ação de uma trabalhadora comprovadamente vítima do voyeurismo. O juiz local e o TRT julgaram improcedente a ação, concluindo “indevida a indenização” porque a responsabilidade do empregador pelo agir ilícito de um empregado, “só cabe quando a conduta ilegítima tem relação com a prestação do serviço”.

O TST concluiu diferente. Afirmou “ser do empregador a obrigação de proporcionar um ambiente de trabalho moral e fisicamente hígido e saudável, o que não se verificou na presente hipótese". Foi determinado o retorno do processo à vara de origem para “o julgamento do caso com o reconhecimento da responsabilidade objetiva da empregadora sobre os danos morais sofridos pela empregada”.

Com a pandemia, o processo moureja numa pilha virtual, à espera da nova sentença.

Entrementes, o abelhudo mudou-se para uma cidade vizinha. Para não ser apontado nas ruas – ele agora só usa roupas cinzas ou pretas, com um boné enfiado até as orelhas. Além da máscara obrigatória.

A ´rádio-corredor´ do fórum trabalhista segue questionando: acaso os(as) clientes não teriam sido também espionados?...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Cura para a orquite

 

Cura para a orquite

Medicina Legal. O que uma inflamação no testículo esquerdo de um cidadão humilde tem a ver com a rotina de um escritório de advocacia. Que, naturalmente, lida com o Direito...

Charge de Gerson Kauer

Namoro indeferido, aliás deferido

 

Namoro indeferido, aliás deferido

Era 11 de junho, véspera do Dia dos Namorados. Então, em uma rede social, vazou a cópia de uma petição, em versos, que um jovem advogado dirigiu  à juíza única da comarca. Ela também respondeu com rimas...

Charge de Gerson Kauer

Eva e Adão no STJ

 

Eva e Adão no STJ

O acórdão evoca os dois personagens do Éden: "A própria história do pecado contada naqueles tempos, descrevendo o cenário: um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez”.

Charge de Gerson Kauer

O amor é lindo!

 

O amor é lindo!

Na audiência, um impasse. A jovem mulher reclamava alimentos para três filhos. O marido contestava: “São dois”! De repente, uma revelação surpreendente conduziu à reconciliação conjugal.

Charge de Gerson Kauer

O (in) jurídico impasse conjugal

 

O (in) jurídico impasse conjugal

Na audiência é ouvida a senhora cinquentona que sofreria de um problema psiquiátrico moderado. De repente, encabulada, ela dirige-se à promotora: “Doutora, eu sei que a senhora proibiu o meu marido de ter relações sexuais comigo”...

Arte de Camila Adamoli sobre foto de Sora Shimazaki (Pexels)

O juiz modernoso

 

O juiz modernoso

“Já sentados, todos, em seus respectivos lugares: o escrivão, as partes e seus advogados. Faltava o juiz. Feitas as qualificações, tudo pronto para o início da solenidade, todos de terno e gravata, entra o magistrado... cabelos compridos, de camiseta, tênis e calça de brim”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.