Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).

O tribunal escondido



Imagem: https://www.baressp.com.br/Arte EV

Imagem da Matéria

alvaro

Por Álvaro Klein, advogado (OAB-RS nº 68.531) -  alvaroklein1970@gmail.com

O artigo publicado, na sexta-feira (29),  aqui neste Espaço - que é Vital para a Cidadania e a Advocacia - “Que loucura é essa do TRT-4?”, faz referência à conduta de estrito sigilo das informações e seus conhecimentos por terceiros, adotada pelo Regional Trabalhista Gaúcho naquele evento. Mais uma evidência, nem prova, nem convicção, sucessão de condutas jurisdicionais e administrativas de um tribunal escondido.

Isso incomoda. Provoca.

Quem são os “Tertius”?

Primus” é o tribunal; “Secundus” é a magistratura; “Tertius in patuleia”; e “Nihil, quintus”.

Terceiros, patuleia – sociedade, sua advocacia e servidores – não sabem, são excluídos e ficam sem acesso às informações que dizem especialmente de seus direitos como cidadãs e cidadãos.

Os valores e conceitos se perderam ou foram subvertidos quando os “Primus” começaram a ser ranqueados por suas produções em números (que necessariamente não dizem ou medem a “qualidade” da jurisdição entregue); e na sequência, por aqui, com a democratização institucional, ou institucionalização não democrática da escolha das administrações e disciplinas.

A melhor colocação no ranking dos “Primus” eleva e credencia seus gestores a voos superiores.

Credenciamento que depende diretamente da célere atuação de “Secundus”, que escolhem quem fará a gestão e a disciplina. Então para que tudo isso funcione é necessário, inicialmente, isolar “Quintus” para que fiquem distantes de “Tertius” e seus interesses espúrios por moral, ética e justiça.

Assim “Tertius” - cidadania e sua advocacia - assistem, ou melhor, não assistem, ficam sabendo que:

  • Secundus” são invioláveis por qualquer decisão extintiva proferida “com abuso de poder”, como por exemplo obrigar “Tertius” a reduzir suas ladainhas iniciais, ou ainda determinar que calcule a raiz quadrada de “Pi”. (3,14 16...).
  • 2 0 3, 1 3, com sigilo ou sem prévia publicidade, tudo muda nas regras do jogo, até a lei; para os voos superiores lançam-se com vento de cauda, pois esconderam até a Rosa dos wentos (com ´w´).
  • “Primus” continua a viagem solidária em busca dos números, mesmo depois do descarrilamento do trem.
  • A imoralidade que existe para “Tertius” quando toma benefícios da miséria dos seus, inexiste para Primus” quando explora a miséria dos dele, utilizando-se de interposta contratada que passou por Sodoma.
  • A unidade judiciária de Arroio Grande, mesmo distante e de dificílimo acesso, é disputada por “Secundus”, nas remoções e transferências.
  • Comarcas siamesas têm a designação, por “Primus”, de 1 (um) integrante de “Secundus” para jurisdicionar aproximadamente 5.000 processos na “comarca do Couro”, e 8 (oito) para jurisdicionarem aproximadamente 3.000 processos na comarca do Calçado, durante o ano 1 da pandemia.

“Tertius”, terceiros que não somos, pois como reza a Lei MAIOR, somos indispensáveis à administração da justiça, que se faz com ética e moral.  É por nossa mão que a sociedade acessa a Justiça – que tomara continue sendo no âmbito da Instituição Justiça do Trabalho, e não em um tribunal escondido.

Por fim esperamos que, neste Espaço Vital para a Advocacia e a Cidadania, dispensadas as confidencialidades imorais e ilegais na gestão da coisa pública, possamos saber sobre a participação, ou envolvimento do Regional Trabalhista, da  Escola Judicial e dois de seus magistrados no “Curso de Preparação de Preposto para Audiências na Justiça do Trabalho”, que foi organizado por entidade que havia contratado com o Tribunal (Acordo de Cooperação Técnica TRT-4 nº13/2021).

Com a devida licença poética:

“O Haiti é aqui / O Haiti não é aqui / Harvard também não / Para todos cabe a redenção / Aqui é Filadélfia, por declaração!”

Em tempo

(Atualização, em 10.6.2021, às 13h).

No espaço acima escrevi sobre a estranheza e falta de compreensão acerca da estrutura e designação de servidores e juízes de forma desproporcional ao número de processos distribuídos.

É tudo tão incompreensível nesta lógica de remoções, transferências, promoções, prédios novos e designações, que fiz confusão. Acabei “impondo” o difícil acesso para a Comarca de Arroio Grande.

Percebido o equívoco, faço a correção.

  • A unidade judiciária de Santa Vitória do Palmar, mesmo distante e de dificílimo acesso, é disputada por “Secundus”, nas remoções e transferências.
  • A administração anterior do Regional Trabalhista tentou trocar as condições de Posto e Vara de entre Santa Vitória do Palmar e Tramandaí. Iniciativa que foi obstaculizada pelo Tribunal Pleno, mesmo diante de enormes disparidades entre o número de processos distribuído por ano no Posto e os distribuídos na Vara. Algo como 250 processos em Santa Vitória e 2.000 em Tramandaí.

Explicado meu erro, é tempo de perguntar.

Haverá outras explicações lógicas?

 __________________________________________________________________________________________________

(*) O autor é AdEvogado Trabalhista (o erro de grafia é proposital, a pedido do articulista). Ele é mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social, especialista em Direitos Humanos Laborais e Governança Global; foi presidente da AGETRA.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google Imagens

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

 

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

A mudança no artigo 7° do Estatuto da Advocacia. “A pertinência do PL n° 4426/2020, elaborado com o objetivo de garantir as prerrogativas legais do exercício da advocacia. A proposta baseia-se nos princípios da isonomia e está alicerçada nos direitos fundamentais previstos na Constituição de 1988”. Artigo do deputado federal Nereu Crispim

Álbum de família

Um começo de justiça para Mara Rúbia

 

Um começo de justiça para Mara Rúbia

Indenização será de R$ 350 mil. O viúvo demonstrou que o empregador negligenciou nos cuidados na prevenção contra o coronavírus, mesmo sabendo das comorbidades que incluíam a trabalhadora nos grupos de risco. Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses

Charge de Gerson Kauer

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

 

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

“Estamos em tempos que parece ter havido um reflexo invertido entre o sonho do renascimento do diálogo e uma certa advocacia amestrada, sempre pronta a atender caprichos imperiais ou, como se diz nas democracias, abusos ou arbitrariedades”. Artigo do advogado Deivti Dimitrios Porto dos Santos, presidente da Subseção de Gravataí (RS).