Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 27).

Um desafio sem precedentes no ensino da cirurgia



Montagem EV sobre arte Cetec Concursos / Google Imagens

Imagem da Matéria

Com o surgimento da pandemia, o médico-cirurgião e professor Plinio Carlos Baú - de firme conceito em meio à magistratura e à advocacia do RS - depois de 35 anos ensinando cirurgia na Escola de Medicina da PUCRS, deparou-se com a súbita necessidade de exercer novos métodos de ensino.

“As crises servem para nos tirar da zona de conforto e estimular nossa criatividade. Foi assim que nasceu o projeto de escrever um livro sobre o tema” – disse Plínio ao Espaço Vital. “Na obra ´Ensino Individualizado em Plataformas Digitais´, reuni minha experiência com a prática vivenciada na pandemia, cotejando-as com uma revisão bem fundamentada de autores clássicos da educação, a respeito do ensino individualizado” – afirmou ele.

O Espaço Vital pediu à cirurgiã Dóris M. Lazzarotto que fizesse uma síntese sobre a obra recém lançada (Editora Appris, 2021). Eis sua análise.

Um desafio sem precedentes no ensino da cirurgia

Artigo de Dóris M. Lazzarotto, médica (*)

“Escrever não é como pintar, onde se acrescenta.

  Não é o que se põe na tela que o leitor vê.

  Escrever é mais como uma escultura, onde se remove,

  se elimina para tornar o trabalho mais visível.

  Até as páginas removidas de certa forma permanecem”.

(ELIE WIESEL / 1928-2016)

Neste cenário de crise sanitária global, professores e alunos foram colocados frente à necessidade da busca de uma interação e na conexão numa modalidade pouco conhecida: as plataformas digitais.

Este processo se revelou um desafio sem precedentes no ensino da cirurgia, uma área dentro da medicina que exige competências com geração de conhecimentos clínicos, motores e humanos com espaços de experiências muito diferentes de outras áreas médicas.  

A educação se constitui na interação, na conexão entre alunos, e entre alunos e professores.

Tal processo se revela pelo desenvolvimento de competências que permitem aos alunos a ação em comunidade, compreendendo seu impacto e seu papel, transformando as realidades em que estão inseridos.

O processo de construção é muito significativo com a interação do professor. E a incorporação de novas tecnologias só alcançará o bom resultado se estudantes e professores trabalharem juntos.

Iniciativas como a do professor Plínio Carlos Baú, no livro recentemente publicado “Ensino individualizado em Plataformas Digitais”, oferece uma contribuição valiosa nesta esfera da educação até então pouco utilizada. Estudos mencionados no livro concluíram que os alunos têm características particulares e que devem ser observadas pelos professores que almejam sucesso em sua atividade.

Com a pandemia da Covid-19 foi necessário redesenhar em um curto espaço de tempo uma nova maneira para ensinar. Professores e alunos em um mesmo tempo, mas em cenários educacionais diferentes.

Em primeiro lugar, foi preciso reter a atenção dos estudantes. Qualquer bom professor tem um sistema de radar para captar a reação da classe, mas isto não existe on-line. Em segundo lugar é preciso possibilitar que os alunos façam o que não podem fazer em um curso regular, que é ir para trás e para a frente. Portanto, é preciso conjugar on-line as qualidades de um livro com a continuidade e o fluxo de um curso. Acima de tudo, é preciso fornecer um contexto. Em um curso presencial, a universidade fornece o contexto. No ensino com plataformas digitais, que o aluno acessa em casa, é ele que precisa fornecer os antecedentes, o contexto, as referências.

O exercício correto e sensato da arte de ensinar exige não apenas conhecimento técnico e experiência, mas também uma grande dose de bom senso e espirito crítico.

No livro, o Dr. Plínio Baú traz reflexões importantes sobre o ensino na medicina, com narrativas interessantes sobre como ocorreu o desenvolvimento da transmissão de conhecimentos em cirurgia, na história da medicina.

Em meio à realidade do ensino durante a pandemia, o autor Plínio Baú argumenta a favor da busca do ensino individualizado com as plataformas digitais.

Escrito de forma simples e de fácil leitura, o livro se destaca pela distribuição do assunto de forma adequada e objetiva.  As mensagens transmitidas são claras, honestas e facilmente compreensíveis. E a proposta no seu conjunto é louvável.

Estou convencida de que o livro deveria constituir-se em leitura obrigatória para todos os educadores que se dedicam a ensinar. E também para os médicos em formação, para que aprendam a analisar de forma crítica as informações que a literatura lhes oferece.

Em síntese, “Ensino individualizado em Plataformas Digitais” é uma iniciativa de sucesso e trabalho, tratando das grandes experiências do próprio autor e dos demais professores mencionados, no que se refere a arte de ensinar.

___________________________________________________________________________________________________

(*) A autora deste artigo é especialista em Cirurgia Geral e Cirurgia Trauma (AMB e CFM); professora de Cirurgia na UNISC; titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões – CBC; ex-residente de Cirurgia Geral no Hospital São Lucas, da PUC/RS.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagem Dicio.com.br

Uma sucessão sem secessão

 

Uma sucessão sem secessão

“O ano de 2021 é desafiador para o Sistema OAB. Novas lideranças clamam por espaços. A responsabilidade de arcar com a condução dos anseios da maior classe liberal do país. O presente não resiste ao futuro; o futuro não prescinde do passado”. Artigo da advogada Mariana Melara Reis, vice-presidente da CAA/RS.