Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Eva e Adão no STJ



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A campanha da coleção de verão de uma marca nacional de roupas femininas íntimas quase resulta na condenação dos donos da indústria, “por exposição de objeto obsceno, punível com pena de até dois anos”. É que, na Justiça Estadual de São Paulo, o Ministério Público desencadeara ação penal, diante do “crime de veicular ´outdoor´ que, com recursos de luz e sombra, reproduzem o ângulo dorsal de corpos humanos”.

Um pedido de habeas corpus de dois industriais chega ao STJ. A liminar é negada. Semanas depois o caso vai a julgamento colegiado. O relator nega o trancamento e mantém a ação penal tramitando em primeiro grau, por entender "inviável, no caso, obstar a apuração por meio de habeas corpus".

O revisor discorda. “Essa reprodução da geografia do continente dorsal do corpo humano, conforme vejo nas imagens, não merece reprovação; é digna de premiação, porque é uma obra de arte” - afirma o ministro ao conceder o habeas.

O voto segue com elogios: "O outdoor explora o visual humano com o maior respeito. Não unicamente como nádegas ou como dorso. Não há o grosseiro, não há o chulo. Há a visão sensível de um artista, através de suas lentes, retratando um pedaço do território de uma criação divina".

O terceiro a votar lembra que “a base do nosso Código Penal é dos idos de 1940. O conceito de obsceno naqueles tempos era muito careta. Sexo era tabu nas escolas, assunto proibido entre adolescentes. Para as crianças mais curiosas, falava-se que tinha sido a cegonha. E mulher sensual era coisa de capeta".

O acórdão evoca Adão e a Eva: "A própria história do pecado contada naqueles tempos, descrevendo aquele cenário do Éden – um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induzia-nos a grande medo e precauções; não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´. Caía na vala comum da exclusão, vítima do preconceito”.

Na conclusão, um recado: "Não devemos consentir que a engrenagem estatal, a polícia, o Ministério Público, o Judiciário - que custam muito dinheiro ao contribuinte - se ocupem de maneira perdulária, tocando inquéritos ou processos que, depois de muito tempo, acabam dando em nada, exatamente em razão da evidência de que não há crime algum a apurar, a processar, a punir”.

O caso acima é rigorosamente autêntico e as palavras acima que estão entre aspas não são ficção editorial do Espaço Vital. O acórdão – com trânsito em julgado - está entre as raridades que também formam a jurisprudência penal do STJ. (HC nº 7.809).

___________________________________________________________________________________________________

Em tempo – A íntegra do acórdão ficou em segredo de justiça. Mas se o leitor quiser conferir a ementa do julgado, basta seguir este link: https://processo.stj.jus.br/processo/ita/documento/mediado/?num_registro=199800584951&dt_publicacao=29-03-1999&cod_tipo_documento=1&formato=PDF


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Expedito, o pinto do padre

 

Expedito, o pinto do padre

O erudito desembargador lecionava num curso para formação de magistrados. Aos doutos alunos exortou que - quando ingressados na profissão - se relacionassem polidamente com os advogados, com a imprensa, e principalmente com a sociedade – “que em última análise é a empregadora da magistratura”. E contou a história do padre que estava à procura de seu pinto...

Charge de Gerson Kauer

A esposa demitida...

 

A esposa demitida...

Na conjunção de uma união estável e de apoio no consultório do dentista Romualdo, a convivente Dulcinéia tentou obter o reconhecimento de uma união estável que teria durado uma década... Mas não conseguiu os reflexos da “boca rica”...  

Charge de Gerson Kauer

O anjo do voo JJ-3054

 

O anjo do voo JJ-3054

O caso do empresário (casado) que escapou da morte no voo trágico que explodiu em Congonhas. Ele safou-se porque – trocando a reserva do voo de ida – optou por desfrutar horas de prazer na companhia da namorada porto-alegrense.

Charge de Gerson Kauer

Um saboroso Risoto Especial Judicial

 

Um saboroso Risoto Especial Judicial

Era uma ação de indenização por dano moral decorrente de ofensas postadas na internet. E de repente, na penúltima folha da petição de recurso especial, lá estava: “Risotto judiciaire au fromage et à la tomate”. A receita era apropriada para seis pessoas.

Charge de Gerson Kauer

As buzinadas no motel

 

As buzinadas no motel

O operador do Direito está cometendo adultério com uma garota em um motel. De repente, toca o celular e, sem pensar, o hóspede comete o erro de atender. Quem está ligando é a esposa dele. O diálogo é rápido: “Onde tu estás? Eu liguei para o teu gabinete e disseram que, depois da audiência, tinhas saído...” (...) “Estou no trânsito!” (...) “Então, buzina que eu quero ouvir”.