Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 3 de agosto de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 6).
https://espacovital.com.br/images/jus_azul_especial_cigarra_2.jpg

Tiago Nunes e seu trauma com os “bruxos de vestiário”



Edição EV sobre foto Geraldo Bubniak/Estadão/CP Memória

Imagem da Matéria

Há duas teses no ar. A primeira é a de que TN está colocando os bruxos em campo para mostrar que são ineficientes. A segunda é a de que TN compôs com os bruxos.

As duas teses são suicidas: a primeira pode derrubar TN por maus resultados; a segunda o derrubará por maus resultados. Um dilema sem saída. É como o dilema do trem: para salvar cinco pessoas, puxa a alavanca e desvia o trem, só que mata um gordinho.

Vamos aos fatos. Quando o Grêmio levou o gol do Athlético aos 45 minutos do primeiro tempo, liguei para o Ricardo Wortmann e disse: “Tirei o chapéu para você”.

Explico: durante a semana RW (que advoga a segunda tese) dissera: “Tiago Nunes arroiou. Entregou-se para os bruxos. O vestiário comanda o técnico”. Só isso explica Tiago Santos (jogou nada), Luiz Fernando (jogou menos ainda) e Cortez (como sempre...). E Rafinha (patético). O jogo começa com a cota de bruxos.

Os jogadores do Inter derrubaram o Ramirez (viram como no domingo jogaram contra o Bahia?). Os do Corinthians já derrubaram Tiago Neves. E Dorival Júnior ficou 90 dias no Palmeiras. Foi detonado pelos bruxos.

E os do Grêmio (os bruxos do antigo regime) já avisaram Tiago Nunes. E ele ficou com medo. Quem tem, pisca.

Outra coisa: hoje em dia jogador bom é o que devolve a bola num toque só. Ninguém mais trata ela com carinho. Livre-se dela, eis o lema.  E dessa neo-escola de toquezinho exsurge uma porção de contra-ataques. Está tão leniente o time do Grêmio que os jogadores não se esforçam nem para fazer barreira, como se viu no domingo.

Aos 17 minutos do segundo tempo, o selo carimbando o bruxismo: entra Maicon e sai Luiz Fernando. Claro: a cota dos bruxos deve ser mantida. Resultado: trocou zero por zero. Time até piorou.

Aos 27 sai Tiago Santos. Ufa! E sai Rafinha e entra Vanderson. Também entrou Jean Pyerre - devagarzinho, como sempre. Será que ele sabe que é um atleta profissional?

Este é o plantel? Para ganhar o quê? Lanterna, Z-4. É o que temos até agora. E ainda não jogamos contra os grandes.

O time do Athlético é bem organizado. Ou seja, basta um time com vontade e bem organizado para ganhar do Grêmio.

Registro: Matheuzinho desaprendeu. Aliás, aprendeu a ser burocrata. Parece o Balakov, da Bulgária dos anos 70. Membro do Partido, jogava sempre. E carimbava a bola. Não ganhavam. Mas tocavam bastante a bola.

A esperança é para o final de 2022, quando os contratos dos bruxos terminarem. A menos que a segunda tese seja a vencedora: a de que TN esteja escalando bruxos para mostrar que são ineficientes.

Veja-se: a segunda tese é melhor do que a primeira. O problema é que pode custar muito caro. Essa é a tese que, para além de tentar resolver um dilema, cria um paradoxo: se a tese for vencedora, pode ser destruidora (por exemplo, sair da Sul Americana e atrasar em muito a classificação no Brasileirão).

Uma repergunta: como é possível que o treinador escale o time com Tiago Santos, L. Fernando, Cortez e Rafinha (este mais parece aposentado)? O leitor, o que pensa?

Responda: você acha que Tiago está apostando na primeira tese ou na segunda?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor