Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 3 de agosto de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 6).
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Advocacia ilegal e tentativa de homicídio contra o idioma



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O homem quarentão chegou à delegacia de polícia em cidade interiorana gaúcha, dizendo-se advogado. Ao inspetor que digitava próximo ao balcão, o recém chegado pediu para falar, urgente, com o delegado a quem pretendia, pessoalmente, entregar um requerimento.

Introduzido no gabinete da autoridade, o visitante apresentou o requerimento.

Ao conferir, o delegado notou que a petição tinha erros de português e arranhava questões técnicas de Direito. Então desconfiado, o policial pediu que o visitante apresentasse sua carteira da Ordem. O pseudo advogado respondeu que "havia esquecido em casa".

Mas, pressionado, informou (aliás, inventou) o número de registro que supostamente seria o seu. Garantiu ser formado na Universidade Federal de Minas Gerias, turma de 1995. Logo a polícia descobriu que o tal número de OAB não existia e que o visitante já era respondia, alhures, por falsidade ideológica.

Os erros presentes na petição eram, no geral, de concordância. Nesse contexto, o pretenso advogado pedia “sermos atendidos com brevidade nesse contesto emerjencial".  E foi nesse panorama de escorregões verbais e erros de grafia, que o visitante requereu ao delegado um "hábeas corpos" (assim mesmo - corpos, substantivo masculino, plural) que, no vernáculo, significa "tudo o que ocupa espaço e constitui unidade orgânica ou inorgânica".

O delegado passou um pito no visitante, sugerindo-lhe que “fosse tomar aulas de Português com o professor Paulo Flávio Ledur”. Em seguida, chamado o escrivão, logo passou-se ao interrogatório.

Ao entregar o inquérito no fórum local, por "exercício ilegal da profissão", o delegado ainda fez um comentário ao juiz que o recebeu pessoalmente: "O acusado deveria também ser denunciado por homicídio praticado contra o idioma português”.

Tudo terminou em transação penal.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Garantia fundamental sexual

 

Garantia fundamental sexual

A câmara cível foi humana - e o acórdão, generoso. E determinou o fornecimento, pelo Estado, a um cidadão de 41 de idade, do andrógeno e esteroide anabólico que é usado no tratamento de baixos níveis de testosterona em homens.

Charge de Gerson Kauer

Expedito, o pinto do padre

 

Expedito, o pinto do padre

O erudito desembargador lecionava num curso para formação de magistrados. Aos doutos alunos exortou que - quando ingressados na profissão - se relacionassem polidamente com os advogados, com a imprensa, e principalmente com a sociedade – “que em última análise é a empregadora da magistratura”. E contou a história do padre que estava à procura de seu pinto...

Charge de Gerson Kauer

A esposa demitida...

 

A esposa demitida...

Na conjunção de uma união estável e de apoio no consultório do dentista Romualdo, a convivente Dulcinéia tentou obter o reconhecimento de uma união estável que teria durado uma década... Mas não conseguiu os reflexos da “boca rica”...  

Charge de Gerson Kauer

O anjo do voo JJ-3054

 

O anjo do voo JJ-3054

O caso do empresário (casado) que escapou da morte no voo trágico que explodiu em Congonhas. Ele safou-se porque – trocando a reserva do voo de ida – optou por desfrutar horas de prazer na companhia da namorada porto-alegrense.

Charge de Gerson Kauer

Um saboroso Risoto Especial Judicial

 

Um saboroso Risoto Especial Judicial

Era uma ação de indenização por dano moral decorrente de ofensas postadas na internet. E de repente, na penúltima folha da petição de recurso especial, lá estava: “Risotto judiciaire au fromage et à la tomate”. A receita era apropriada para seis pessoas.

Charge de Gerson Kauer

As buzinadas no motel

 

As buzinadas no motel

O operador do Direito está cometendo adultério com uma garota em um motel. De repente, toca o celular e, sem pensar, o hóspede comete o erro de atender. Quem está ligando é a esposa dele. O diálogo é rápido: “Onde tu estás? Eu liguei para o teu gabinete e disseram que, depois da audiência, tinhas saído...” (...) “Estou no trânsito!” (...) “Então, buzina que eu quero ouvir”.