Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 3 de agosto de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 6).
https://espacovital.com.br/images/sala_audiencias.jpg

Bug na rebimboca da parafuseta do TJRS



Charge de Enio Silva

Imagem da Matéria

Não há dúvida que o Judiciário da União saiu-se bem na introdução da informática. O PJE depois de muitos altos e baixos, desentendimentos e crises ego centristas, é uma realidade em constante aperfeiçoamento.

O inaceitável foi a reprovável adequação das regras processuais à informatização, quando deveria ser ao contrário. Rasgaram-se regras fundamentais para a segurança do processo e à humanização da magistratura.

A informatização também resultou na eliminação de um contingente de advogados “da melhor idade”, que não se adequaram à radical alteração promovida. Foram sumariamente soterrados pela novidade e, assim, eliminados da advocacia.

A OAB assumiu um papel de “Maria vai com as outras” - pouco, ou muito pouco, interferiu nos absurdos cometidos em nome da suposta modernização.

Dito isso é de perguntar: o que justificou a reviravolta da informática no Judiciário?

Lembro de algumas justificativas: a portabilidade em favor da advocacia; a preservação das árvores; a liberação de espaços físicos  prediais, e fundamentalmente a celeridade em favor dos jurisdicionados.

Sem nenhuma dúvida a celeridade – sonho da cidadania – seria a mais louvável, não fosse uma miragem que se desfaz à medida em que avançamos.

No Judiciário Federal - por contar com uma estrutura orgânica verticalizada e hierarquizada - foi mais fácil. As orientações baixavam a partir dos tribunais superiores e conselhos superiores.

Entretanto, no Judiciário dos Estados não tem sido fácil e a desordem tem se revelado.

Lembro quando fui visitar o presidente do TJ/SP, Celso Limongi. Quando eu aguardava, saíram do seu gabinete o governador Serra e um representante do Banco Mundial. Revelou que a visita visava a solução para o caos na informatização da justiça de SP.

Pela falta de um projeto estratégico, cada comarca praticamente adotou um sistema. O problema é que não dialogavam entre si e a correção dependeria de uma paralisação total e de uma volumosa verba investida.

Bem, mas o que isso tem a ver com a Justiça gaúcha? Simples, a Justiça Estadual Gaúcha está parada - de novo - e por conseguinte, ou não há prestação jurisdicional, ou não há efetividade no decidido.

O respeito à independência dos tribunais e dos estados membros, não prescinde de uma estruturação uniforme do Judiciário, haja vista a previsão legal da sua unidade.

Tudo faz crer que os maiores beneficiários da informatização têm sido as árvores as florestas, em que pese o ex-ministro Ricardo Salles...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Chargista Nani – NaniHumor.com

O terrivelmente evangélico

 

O terrivelmente evangélico

“Defendo a fixação de mandato àqueles que compõem o STF e, ainda, uma divisão de carreira de origem: advocacia, magistratura e Ministério Público. A proposta é sujeita a críticas, mas é uma forma de não transformar o Supremo em uma confederação de credos religiosos, de orientações sexuais, de raças, etc.”

Foto Istock.com/getty images

Perjúrio na CPI

 

Perjúrio na CPI

“Algo que sempre afirmei é que se as testemunhas soubessem da discussão jurídica acerca das consequências de mentir nos depoimentos, mentiriam muito mais do que mentem”.

Visual Hunt

Juízes não sabem administrar

 

Juízes não sabem administrar

“O CNJ tornou-se uma estrutura cara, que abriga os indicados pela política interna das carreiras e da política partidária. Aptidão zero para administrar. Mais um órgão que faz muito menos do que é necessário”.