Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, terça-feira, 07.12.
(Próxima edição: sexta-feira, 10.12)

Acordo milionário de transação individual com empresas do setor de frigoríficos



Google Imagens

Imagem da Matéria

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) celebrou, por meio da Procuradoria-Regional da Fazenda Nacional da 4ª Região acordo de transação individual com diversas empresas do setor de frigoríficos sediadas no Rio Grande do Sul. A negociação implicou o reconhecimento de grupo econômico pelas empresas envolvidas.

As tratativas de negociação foram iniciadas no âmbito da Procuradoria-Seccional da Fazenda Nacional em Bento Gonçalves, contando com a participação do Núcleo de Análise de Risco e Monitoramento Econômico-Fiscal. O passivo fiscal negociado foi de R$ 280 milhões.

Segundo o advogado Marcelo Pinto Ribeiro, um dos representantes do grupo econômico, o acordo firmado com a União permitirá, de imediato, o retorno da regularidade fiscal da empresa, o fomento de novos negócios e a retomada de um planejamento estratégico de longo prazo - especialmente após vencido este período de pandemia.

Ribeiro avalia que “essa transação representa um ganho importante para o poder público e para sociedade, que incorporam recursos importantes para atender as permanentes demandas dos cidadãos”.  E também é interessante para a empresa, que assegura a manutenção de emprego e a geração de renda para cerca 1.500 famílias.

Regulamentado pela Lei do Contribuinte Legal (Lei nº 13.988/2020), o instituto do acordo de transação vem se consolidando como um aliado de contribuintes bem intencionados para a regularização de débitos inscritos na dívida ativa da União.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Medida judicial da OAB-RS contra o aumento do IPTU em Porto Alegre

A entidade comprova que “em alguns casos, o imposto poderá ter aumento superior a 100% em seis anos, o que torna o tributo confiscatório, atingindo o direito de propriedade”. Tutela antecipada pedida visa a suspensão integral da eficácia da Lei Complementar Municipal nº. 859/2019 e seus anexos, até o julgamento definitivo da ação direta de inconstitucionalidade.

Uma disputa judicial de R$ 229 bi

Cerca de 25 mil companhias cobram do Fisco – nos fóruns e tribunais federais, Brasil afora - créditos decorrentes de uma decisão do STF que determina a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.