Ir para o conteúdo principal

Nossa próxima edição será postada na terça-feira 1º de fevereiro de 2022
https://espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

O Gre-Nal termi-Nal...



Ricardo Duarte/Inter

Imagem da Matéria

Eu imaginava que o Grêmio superaria as suas dificuldades e não cairia. Mas o terror de fincar o pé no penúltimo lugar da classificação é terrível, pois tudo passa a dar errado. O principal erro foi pensar que há milagre e que a troca do técnico é o caminho.

Nessas situações há um elemento subjetivo presente no vestiário que contamina os atletas, os principais responsáveis pelo mau rendimento.

Identifico um outro aspecto comum àqueles que caem: a chamada fadiga dos metais. Geralmente há uma continuidade fabricada e calcada na vaidade dos dirigentes.

No coirmão, não fosse a gambiarra interpretativa do estatuto, o Romildo teria encerrado a sua gestão como um dos maiores presidentes. Equacionou as finanças e ganhou quase todos os títulos que disputou. Isso após longos anos de hegemonia vermelha.

No colorado não foi muito diferente. Aquele que esteve à frente das mais importantes conquistas da história, foi o mesmo que encerrou a sua carreira diretiva à frente do também mais expressivo revés.

Não é à toa que batizamos o futebol como jogo. Para os dirigentes, a adrenalina e a onipotência são componentes que levam a estender períodos no comando.

É como acontece com os jogadores contumazes: sempre há a possibilidade de ganhar mais e mais.

O Gre-Nal de sábado (6) foi marcante pelo resultado, pois os times jogaram alterando momentos ruins e bons. O gol da vitória colorada fez justiça, pois foi obra do Taison - e no dia em que era dado início pelo Inter à campanha contra o racismo nos estádios.

Também foi tranquilizador ver que o Marcelo Lomba voltou à sua forma, evitando pela sua qualidade o empate.

Agora o impossível não será mais possível: fazer o que não foi feito ao longo de todo o campeonato.

O Grêmio enfrentará pela terceira vez a segunda divisão do futebol brasileiro, e ela não é fácil. Se a crise for agravada poderá repetir a situação do Cruzeiro. De resto, caixões sejam eles azuis ou vermelhos, fazem parte da vibração do torcedor e é para eles que os clubes existem. 

Apenas uma pergunta: foi a tal de IVI (Imprensa Vermelha Isenta) que rebaixou o Grêmio, ou ele mesmo?

Para sair da segundona tem que parar com a fantasia da imortalidade e com a paranoia contra a imprensa.

Quem cai, cai pelas próprias mãos


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem Segredos do Mundo

Final de ano

 

Final de ano

“Neste período de reconstrução do futebol não há muito a dizer. O Inter está pondo em prática o tal planejamento do ´novo no futebol´. O Grêmio tem uma possibilidade de reaglutinar a torcida, abandonar a arrogância da imortalidade e com humildade fazer do limão uma limonada”.

Foto: Pedro H. Tesch/AGIF

A Jus esverdeada

 

A Jus esverdeada

“Aqui a cor é vermelha! Não estou indicando mais uma possibilidade no modismo que tomou conta do marketing do Internacional, ou seja, de que a próxima camiseta colorada - a caça níquel - será verde".

Chargista Duke – www.domtotal.com

Quem entrega e para quem?

 

Quem entrega e para quem?

“Atletas e técnicos são profissionais e mesmo considerando os vínculos afetivos, prestam contas aos seus contratantes. A tal entrega do jogo subverte o comando do vestiário e autoriza, em outras circunstâncias, que os comandados possam fazer o mesmo segundo os seus interesses”.

Joel Vargas/PMPA

Cheiro de Gre-Nal

 

Cheiro de Gre-Nal

“É primavera, mas estou entre aqueles que imaginam que nossa cidade foi concebida para o outono. É na estação em que ela adquire um colorido todo especial. O Gre-Nal já está no horizonte e pode valer muito para a dupla”.