Ir para o conteúdo principal

Edição de terça, 17 de maio de 2022.
(Próxima edição: sexta dia 20 de maio.)
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Shangri-la, a capital da magistratura



Pinterest

Imagem da Matéria

Última semana antes do recesso, o Doutor Sofrenildo - advogado zeloso - matutava sobre as perdas do decêndio:

1) Uma audiência não realizada por pane na internet;

2) Outra audiência adiada porque a juíza entrara em licença;

3) Uma reintegração de posse frustrada, porque o esbulhador exibira, ao oficial de justiça, um quente atestado que comprovava estar ele acometido de Covid-19;

4) Meia dúzia de diferentes alvarás não expedidos porque os autos se encontravam “conclusos” aos respectivos magistrados.

E por aí...

Foi então que o Doutor Sofrenildo lembrou-se de uma sugestão dada por um conselheiro da Ordem Internacional dos Advogados: “Pega um veículo, toma o rumo do Himalaia e, nos condomínios de luxo dali, encontrarás magistrados disponíveis a receber advogados e a prestar-lhes pronta prestação jurisdicional presencial”.

Assim fez. O Doutor Sofrenildo foi direto a Shangri-la, aquela da criação literária de 1925 do inglês James Hilton, definida como um lugar paradisíaco situado nas montanhas do Himalaia. Um local onde o tempo parecia deter-se em um ambiente de felicidade e saúde, com a convivência harmoniosa entre pessoas das mais diversas procedências.

E nessa conjunção prazerosa, o Doutor Sofrenildo adentrou em um ecológico condomínio, anunciando-se como “advogado militante, interessado em falar com o Juiz Doutor Otoniel e seus colegas que aqui residem”. De imediato, educados seguranças facilitaram-lhe o acesso. Em meia dúzia de modernas quadras de tênis, todas com vista para um embasbacante mar azul calipso, realizava-se o “Permanente Jus Campeonato de Beach Tennis”.

Percebendo o visitante, todos os magistrados tenistas interromperam as respectivas partidas e recepcionaram o Doutor Sofrenildo, a quem perguntaram em coro: “Em que podemos ajudar?”.

Modesto, o advogado explicou: “Tentando melhorar o meu Natal, após mais um ano de tantas perdas, aqui venho em busca das assinaturas de Vossas Excelências. Suplico pelo menos três dos seis alvarás a que faço jus, após demorados processos”.

Enquanto o garçom oferecia gelada água de coco ao visitante, dois estagiários rapidamente se movimentavam. Assim, em poucos minutos o advogado recebeu não os três, nem os seis, mas sete alvarás – o último deles relativo a um inesperado e polpudo precatório vintenário.

Antes que agradecesse aos doutos tenistas e partisse de volta à sua casa, o Doutor Sofrenildo sentiu um rápido tremor corporal. E – decepção - logo percebeu que estivera sonhando, em sua própria casa, na urbe congestionada. Então levantou-se, tomou um banho relâmpago, vestiu-se.

A esposa (Dona Sofrência) serviu-lhe um breakfast rápido, e ele partiu em direção ao Foro Central. Estava esperançoso de que seus alvarás tivessem sido assinados.

Na chegada, viu na porta (fechada) do prédio, um aviso em letras garrafais: “Antecipamos em um dia a vigência do recesso. Volte em 1º de fevereiro de 2022”.

Enfartado, o Doutor Sofrenildo sucumbiu ali mesmo. O médico legista chamado pela OAB atestou: “Morreu de tristeza e decepção”.

E Shangri-la - com seus penduricalhos - continua sendo a realidade de um novo mundo possível.

Extraoficialmente.

juiz tenis de praia

Mais artigos do autor

Charge de GERSON KAUER

Consulta ginecológica à moda romana

 

Consulta ginecológica à moda romana

Ela era uma mulher interessante, sem exuberâncias, estava sempre perfumada, usava saltos altos, cabelos bem penteados. Um dia, ela foi ao consultório de um ginecologista que só atendia “particular”. O recôndito era decorado com objetos típicos das antigas milícias romanas.

Charge de GERSON KAUER

Uma comarca só de advogados

 

Uma comarca só de advogados

Um advogado, um juiz e um promotor conversam sobre a rotina forense, o congestionamento de cartórios, a precariedade de funcionamento dos JECs, as dificuldades para operar o processo eletrônico. “Eu exijo morar num resort” – pede o magistrado. “Eu quero uma ilha que me possa fazer lembrar o Éden” – pretende o representante do Ministério Público...

Charge de GERSON KAUER

A suprema vibração

 

A suprema vibração

A segurança do STF resolveu aplicar o que seus agentes chamam de “cana dura”. É a dica que significa ser minuciosamente exigente na revista dos pertences pessoais de todos os que chegam – mesmo os mais conhecidos e idôneos frequentadores. Vai daí que...

Charge de GERSON KAUER

Serviços sexuais insatisfatórios

 

Serviços sexuais insatisfatórios

Granjeiro do interior gaúcho, após tratar de assuntos comerciais em Porto Alegre, deu uma esticada nas bandas da avenida Farrapos. No local escolhido, sentou-se, pediu um uísque, e outros mais... A percanta combinou o preço e garantiu a excelência da voluptuosidade que prestaria...

Charge de GERSON KAUER

Pamonha jurisdicional

 

Pamonha jurisdicional

Na petição de apelação, o advogado embutiu um recado sutil: “A advocacia vem sendo desrespeitada por magistrados que não se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Como somos tratados como pamonhas, informo que gostosas receitas desta iguaria oriunda do milho estão facilmente disponíveis na internet”.

Charge de GERSON KAUER

Perfumes jurisdicionais

 

Perfumes jurisdicionais

Num desdobramento de audiência de ação penal relativa a um assalto à mão armada, de repente a surpresa: “Doutor, o senhor tem compromisso hoje à noite?” – questiona a vítima (30 de idade), dirigindo-se ao juiz (50 anos). Na apoteose, até Vinicius de Moraes é evocado...